Memórias Póstumas de Cosma e Damiâna

0,,17000547-EX,00

Centro histórico de São Paulo

O Homem teme o Tempo, mas o Tempo teme as Pirâmides

Quem não se lembra de uma das mais marcantes cenas de Drácula, quando o navio que traz o vampiro chega com o comandante morto, preso ao leme? Um cão enorme que pula na água e some em Londres? O trecho que narra a vigem do conde para Inglaterra é uma das passagens mais assustadoras do livro e as adaptações para o cinema não deixam por menos.

o navio que traz o vampiro chega com o comandante morto, preso ao leme? Um cão enorme que pula na água e some em Londres - Tela de David Lane

O navio que traz o vampiro chega com o comandante morto, preso ao leme. Um cão enorme que pula na água e some em Londres. – Tela de David Lane

A forma que o autor conta a historia é um ponto bastante interessante. Em forma de diário os personagens Jonathan Harker, Mina ou Arthur Holmwood, narram seu encontro e desencontro com o vampiro. Essas narrativas, de pontos de vista diferentes, dão vida ao personagem maligno.

O menos vampiresco das personagens de Passa lá em casa, Leandro César, e a quele que homenageia Drácula

O menos vampiresco das personagens de Passa lá em casa, Leandro César, e a quele que homenageia Drácula – Imagem de Nick Gentry

O menos vampiresco dos personagens de Passa lá em casa é justamente o que faz uma homenagem a Drácula, o jornalista Leandro César Fiaschi.

O personagem Nicolas tem um amigo, até aí sem novidades. Acontece que eu queria um amigo que fosse o oposto de um empresário que leva uma vida pacata sem grandes novidades. Mais um que mora num condomínio fechado, tem uma irmã e pretensões socialistas. Durante um tempo fiquei matutando sobre esse amigo que não acontecia. Por fim conversando com um colega de faculdade perguntei sobre as férias dele. O cara passou as férias a la Indiana Jones. Viajou pelo Egito, Marrocos e outros lugares diferentes de nossa cultura. Lembro que na época estava havendo as manifestações no Egito e o lugar estava meio perigoso. Ele visitou outros lugares do continente africano e o Oriente Médio. Era uma semente a germinar. O tempo passou e apenas uma fração do personagem estava em minha mente quando me deparei com uma reportagem de uma espécie de navio-condomínio. Pois era tudo que eu esperava, e assim o personagem se formou em mim com moradia, profissão e a aparência física que roubei de um amigo, Leandro César.

Os apartamentos vão desde duplex a unidades com um dormitório. Também há cabines para um publico flutuante. - Tela de Nancy Loughlin

Os apartamentos vão desde duplex a unidades com um dormitório. Também há cabines para um público flutuante. – Tela de Nancy Loughlin

O navio que me surpreendeu foi o Magellan. A proposta era simples, compre um apartamento e passe a vida sobre os oceanos. Mas vamos aos números, afinal luxo sem expressões quantitativas não é digno. Esse endereço único passara por 300 portos, mais 150 países dentre locais como Cannes, Veneza, Istambul, Caribe…

Além de ter uma marina retrátil onde o morador pode ir mar afora com lanchas, barcos e jet-skis há piscinas externas e internas cascatas d ‘ água e jardins internos forjando um clima tropical. Há um telescópio com um astrônomo a bordo. Quatro restaurantes cinco estrelas, cassino, nightclub teatro e heliporto. Salas de conferencia, supermercados, lojas, quadra de tênis, minigolfe, spa, salas de ginasticas e muitos outros atrativos, enfim uma pequena cidade flutuante.

Os apartamentos vão desde duplex a unidades com um dormitório. Também há cabines para um publico flutuante.

Outros navios-condomínios foram construídos seguindo esse modelo.

Eis que meu personagem encontra-se perfeitamente instalado em um. Repórter-fotográfico que faz matérias para revistas de turismo não poderia estar em um lugar melhor.

De e-mail a e-mail

Estruturalmente, Drácula, é um romance epistolar, ou seja, contada como uma série de cartas, entradas de diário, registros de bordo etc.

Bram Stoker publicou seu romance "Drácula" em maio de 1897, estruturando-o como um romance epistolar, escrito a partir de uma série de cartas, relatos, diários pessoais, reportagens de jornais, registros de bordo, etc. A solução narrativa do autor foi brilhante: narrar a história a partir dos diários e memorandos de seus protagonistas, com isso as confissões e desesperos dos envolvidos na trama vão dando forma ao perigo, que só muito depois se torna completamente evidente. Ele nos apresenta também os costumes, tradições e a cultura da Inglaterra vitoriana e o a reação dos britânicos com relação ao que vem do estrangeiro, personificado através do medo arquetipiano da figura do vampiro. Nesse sentido, a realidade do racionalismo britânico entra em choque com o sobrenatural, explicitado através das figuras opostas de Drácula e de Van Helsing, ambos estrangeiros e pertencentes a sociedades estranhas aos costumes britânicos. A atmosfera gótica é o pilar do romance: a maior parte da história se passa na Inglaterra, berço da civilização industrial e para onde o Conde se dirige com o intuito secreto de conquistar o mundo, o que é apenas sublimado ao longo da narrativa. Quando o conhecimento científico encontra seu limite para lidar com os fatos, resta o conhecimento popular. É desse conhecimento que Van Helsing tira os procedimentos necessários para acabar com o vampiro. As dicotomias entre as figuras do bem e do mal são figuradas nos personagens humanos e nos vampiros. O único contato entre os universos é a sensualidade e o erotismo. O medo de vampiros é anterior à publicação da obra de Stoker, tendo já aparecido em 1819, na obra "O Vampiro", de autoria de John Polidori (1795-1821), contemporâneo de Mary Shelley e de Lorde Byron, entretanto, a propagação do mito e do medo e a inspiração para milhares de outras fabulações sobre vampirismo, deve-se, e muito, ao romance Drácula. O personagem principal, que é apresentado indiretamente através das narrativas dos demais personagens, pode ter sido inspirado na vida do príncipe Vlad Tepes, cuja crueldade e prazer em ver a agonia de suas vítimas contribuíram para que Bram Stoker criasse um ser tão perverso. Quando foi publicado em 1897, Drácula não foi um best-seller imediato, embora as críticas fossem extremamente favoráveis, classificando classificou Bram Stoker como sendo superior a Mary Shelley e Edgar Allan Poe. O romance tornou-se mais significativo para os leitores modernos do que foi para os leitores contemporâneos do autor, atingindo seu grande status lendário clássico ao longo do século 20, quando as versões cinematográficas apareceram. No entanto, alguns fãs da época vitoriana o descreveram como a sensação da temporada e o romance de gelar o sangue do século. Sir Arthur Conan Doyle, criador de Sherlock Holmes, escreveu a Stoker, afirmando, Escrevo-lhe para dizer o quanto eu gostei de ler 'Drácula'. A história de "Drácula" tem sido a base de incontáveis filmes e peças, ópera, balé, graphic novels e inúmeras outras mídias, sendo que o número de filmes que incluem referências a Drácula direta ou indiretamente chega a mais de 649 adaptações. A primeira adaptação para os palcos, encenada em 18 de maio de 1897, foi escrita e dirigida pelo próprio Bram Stoker e encenada uma única vez em Londres. A primeira adaptação para o cinema ocorreu em 1922 e envolveu uma questão judicial entre o diretor do filme e o espólio de Bram Stoker. F. W. Murnau, o diretor do filme, lançou a história com o título "Nosferatu: Uma sinfonia de horror", apenas alterando o nome do protagonista (de Drácula para Orlok) e transferindo o local da trama da Inglaterra para a Alemanha. O espólio de Stoker venceu a batalha judicial, sendo que todas as cópias existentes de "Nosferatu" deveriam ter sido destruídas, entretanto um pequeno número de cópias sobreviveu até os dias de hoje, sendo considerado um clássico do cinema de terror. Contudo, a versão mais conhecida e famosa da história de Drácula foi realizada pela Universal em 1931, estrelada por Bela Lugosi e dirigida por Tod Browning. Imagem: Florina Kendrick, Monica Bellucci, Michaela Bercu, as noivas de Drácula de Bram Stoker filme de Francis For Copolla

Bram Stoker publicou seu romance “Drácula” em maio de 1897, estruturando-o como um romance epistolar, escrito a partir de uma série de cartas, relatos, diários pessoais, reportagens de jornais, registros de bordo, etc. A solução narrativa do autor foi brilhante: narrar a história a partir dos diários e memorandos de seus protagonistas, com isso as confissões e desesperos dos envolvidos na trama vão dando forma ao perigo, que só muito depois se torna completamente evidente. Ele nos apresenta também os costumes, tradições e a cultura da Inglaterra vitoriana e o a reação dos britânicos com relação ao que vem do estrangeiro, personificado através do medo arquetipiano da figura do vampiro. Nesse sentido, a realidade do racionalismo britânico entra em choque com o sobrenatural, explicitado através das figuras opostas de Drácula e de Van Helsing, ambos estrangeiros e pertencentes a sociedades estranhas aos costumes britânicos. A atmosfera gótica é o pilar do romance: a maior parte da história se passa na Inglaterra, berço da civilização industrial e para onde o Conde se dirige com o intuito secreto de conquistar o mundo, o que é apenas sublimado ao longo da narrativa. Quando o conhecimento científico encontra seu limite para lidar com os fatos, resta o conhecimento popular. É desse conhecimento que Van Helsing tira os procedimentos necessários para acabar com o vampiro. As dicotomias entre as figuras do bem e do mal são figuradas nos personagens humanos e nos vampiros. O único contato entre os universos é a sensualidade e o erotismo. O medo de vampiros é anterior à publicação da obra de Stoker, tendo já aparecido em 1819, na obra “O Vampiro”, de autoria de John Polidori (1795-1821), contemporâneo de Mary Shelley e de Lorde Byron, entretanto, a propagação do mito e do medo e a inspiração para milhares de outras fabulações sobre vampirismo, deve-se, e muito, ao romance Drácula. O personagem principal, que é apresentado indiretamente através das narrativas dos demais personagens, pode ter sido inspirado na vida do príncipe Vlad Tepes, cuja crueldade e prazer em ver a agonia de suas vítimas contribuíram para que Bram Stoker criasse um ser tão perverso. Quando foi publicado em 1897, Drácula não foi um best-seller imediato, embora as críticas fossem extremamente favoráveis, classificando classificou Bram Stoker como sendo superior a Mary Shelley e Edgar Allan Poe. O romance tornou-se mais significativo para os leitores modernos do que foi para os leitores contemporâneos do autor, atingindo seu grande status lendário clássico ao longo do século 20, quando as versões cinematográficas apareceram. No entanto, alguns fãs da época vitoriana o descreveram como a sensação da temporada e o romance de gelar o sangue do século. Sir Arthur Conan Doyle, criador de Sherlock Holmes, escreveu a Stoker, afirmando, Escrevo-lhe para dizer o quanto eu gostei de ler ‘Drácula’.
A história de “Drácula” tem sido a base de incontáveis filmes e peças, ópera, balé, graphic novels e inúmeras outras mídias, sendo que o número de filmes que incluem referências a Drácula direta ou indiretamente chega a mais de 649 adaptações. A primeira adaptação para os palcos, encenada em 18 de maio de 1897, foi escrita e dirigida pelo próprio Bram Stoker e encenada uma única vez em Londres. A primeira adaptação para o cinema ocorreu em 1922 e envolveu uma questão judicial entre o diretor do filme e o espólio de Bram Stoker. F. W. Murnau, o diretor do filme, lançou a história com o título “Nosferatu: Uma sinfonia de horror”, apenas alterando o nome do protagonista (de Drácula para Orlok) e transferindo o local da trama da Inglaterra para a Alemanha. O espólio de Stoker venceu a batalha judicial, sendo que todas as cópias existentes de “Nosferatu” deveriam ter sido destruídas, entretanto um pequeno número de cópias sobreviveu até os dias de hoje, sendo considerado um clássico do cinema de terror. Contudo, a versão mais conhecida e famosa da história de Drácula foi realizada pela Universal em 1931, estrelada por Bela Lugosi e dirigida por Tod Browning.
Imagem: Florina Kendrick, Monica Bellucci, Michaela Bercu, as noivas de Drácula de Bram Stoker filme de Francis For Coppola

Em um dos primeiros e-mails ele conta sobre algumas pessoas que conheceu e a emoção de estar sempre no mar - Imagem de Louis Wain

Em um dos primeiros e-mails ele conta sobre algumas pessoas que conheceu e a emoção de estar sempre no mar – Imagem de Louis Wain

Conheci um ex-cônsul americano, fizemos amizade. Ele conhece quase todo o globo. É formado em paleontologia com especialização em paleoclimatologia. Tb é cientista político e poliglota! - Obra de Camille Rose Garcia

Conheci um ex-cônsul americano, fizemos amizade. Ele conhece quase todo o globo. É formado em paleontologia com especialização em paleoclimatologia. Tb é cientista político e poliglota!Obra de Camille Rose Garcia

Na forma que apresento a narrativa de Leandro. Como disse, ele é um dos principais amigos de Nicolas e sabemos o que se passa em sua vida por meio dos e-mails que eles trocam. Essa é uma pequena homenagem minha a esse romance romântico tão simbólico e popular da literatura mundial. Em duas passagens Nicolas vai de encontro ao amigo que em uma passagem visita Nicolas que passa por uma situação dolorida.

Em um dos primeiros e-mails ele conta sobre algumas pessoas que conheceu e a emoção de estar sempre no mar.

Conheci um ex-cônsul americano, fizemos amizade. Ele conhece quase todo o globo. É formado em paleontologia com especialização em paleoclimatologia. Tb é cientista político e poliglota! o cara é duca. A maioria das pessoas q moram ou viajam no navio são velhos. A transição é constante q nem da para conhecer as td mundo.

Postarei textos que não estão no livro Passa lá em casa com a Personagem Leandro César Fianchi - Imagem de Maja Wronska

Postarei textos que não estão no livro Passa lá em casa com o personagem Leandro César Fiaschi – Imagem de Maja Wronska

Tem gente q comprou ap aqui e ainda ñ embarcou. outros embarcam e depois vão embora. Tem um casal de lésbicas d terceira idade q algumas pessoas apelidaram de Gertrude e Alice[1]. vi as fotos das duas, as verdadeiras q eram amigas de Pablo Picasso, e as daqui são um pouco + bonitas, mas feiosas mesmo assim. Deu p/ entender?”

[1] Gertrude Stein (3 de fevereiro de 1874, Pittsburgh, EUA – 27 de julho de 1946, Paris, França) foi uma escritora, poeta e feminista estadunidense. Tinha um apreciável círculo de amigos, como Pablo Picasso, Matisse, Georges Braque, Derain, Juan Gris, Apollinaire, Francis Picabia, Ezra Pound, Ernest Hemingway e James Joyce, isso apenas pra citar alguns. Alice B. Toklas, sua secretária e companheira durante vinte e cinco anos;

Para Leandro a segurança, é como na maioria das vezes, o ponto central de sua escolha apesar de camuflar a tendência ao luxo. Porém nada na vida é como sempre se planeja. Ele acaba visualizando um mundo que deveria estar encoberto pelo cenário que o navio conduz. - Terry Border

Para Leandro a segurança, é como na maioria das vezes, o ponto central de sua escolha apesar de camuflar a tendência ao luxo. Porém nada na vida é como sempre se planeja. Ele acaba visualizando um mundo que deveria estar encoberto pelo cenário que o navio conduz. – Terry Border

O texto completo sobre o desenvolvimento da personagem você pode ler aqui.

Fanfiction

Ligado a inúmeros aparelhos ele não tinha mais consciência - Obra de Satre Satuelke

A última narrativa com Leandro no livro Passa lá em casa, ele se encontra no Egito em um dia estranho 11 do 11 de 2011. – Obra de Satre Satuelke

A última narrativa com Leandro ele se encontra no Egito em um dia estranho 11 do 11 de 2011. Lá mais uma vez ouve falar em Atlântida e Nicolas mais uma vez se encontra com ele.

Esse dia o Black Sabbath anuncia sua volta com os membros originais.

Abaixo um trecho do livro Passa lá em casa onde Leandro manda um e-mail para seu amigo Nicolas.


Para: nick_ albuquerque_nico@***.com.br

Assunto: O homem teme o Tempo, mas o Tempo teme as pirâmides

O prédio do museu é horroroso em estilo neoclássico, acho... será uma praga arquitetônica? - Simon Schubert

O prédio do museu é horroroso em estilo neoclássico, acho… será uma praga arquitetônica?Simon Schubert

Nicolas desculpe a demora em responder, antes d entrar num assunto impossível vou descrever minha visita ao Egito. Como vc sabe sempre pensei no Egito de forma apaixonada ou mesmo fanática. Porém preferi esperar essa paixão diminuir com o passar do tempo p/ visitá-lo de forma clara. Chegou a hora e estou tranquilo, mas algo q aconteceu levou minha existência p/ longe do que era ate dias atrás…

Estivemos em Sharm El Sheikh durante duas semanas antes de virmos p/ o Cairo. Um grande paraíso, onde praticamos mergulho. Meu interesse foi mais histórico, pois estou meio farto de paraísos. Pegamos um avião p/ o monte Sinai. Qnd era pequeno ouvi dizer q ainda hoje se escuta vozes e é um lugar suscetível a terremotos. Ñ ouvi nd ou presenciei algo anormal…

No museu do Cairo lembrei d vc ao ver ataúde de Ra-Ur talhado em formas geométricas, alem claro do tesouro d Tutancâmon. O espaldar do trono é de tirar o fôlego, o sarcófago me deu arrepios em saber q o cara tava lá td esse tempo… o prédio do museu é horroroso em estilo neoclássico, acho… será uma praga arquitetônica? Como usei o plural estou c/ o casal lesbico, Clementine e Julie.

Estivemos em Luxor, deixei Gizé p/ depois, onde lembrei novamente d vc. Tenho passe livre, pois as duas mulheres são cientistas, visitamos a tumba d Ramsés eu vi, advinha, carpideiras.

Leandro sempre termina seus e-mail com a frase: Já volto…


Note que algumas palavras estão abreviadas, sem acento, como costumamos fazer em mensagens informais com nossos amigos. Essa será a estrutura que usarei para lhes apresentar a fanfic Memórias Póstumas de Cosma e Damiâna e algum tema específico. Desde que terminei o livro em 2013 pensava em dar continuidade as aventuras Leandro César Fiaschi pelo mundo. Um novo grupo de personagens e personagens que já fazem parte da história estarão nas viagens de navio.

Já volto... - Obra de Edward Hopper

Já volto… – Obra de Edward Hopper

Categoria: Memórias póstumas de Cosma e Damiana Sobre: Textos que escrevi, escrevo e outros textos Imagem em destaque: O Okinawa Churaumi Aquarium (沖縄美ら海 Okinawa Churaumi Suizokukan ? ) Está localizado dentro do Parque Expo Oceano em Okinawa, Japão . Ele recebeu seu visitante 20000000 em 30 de março de 2010 [3] e é membro da Associação Japonesa de Zoos e Aquários (JAZA). Foi o maior aquário do mundo, até que foi superado pela Georgia Aquarium em 2005.

Categoria: Memórias póstumas de Cosma e Damiana
Sobre: Textos que escrevi, escrevo e outros textos
Imagem em destaque: O Okinawa Churaumi Aquarium (沖縄美ら海 Okinawa Churaumi Suizokukan ? ) Está localizado dentro do Parque Expo Oceano em Okinawa, Japão . Ele recebeu seu visitante 20000000 em 30 de março de 2010 [3] e é membro da Associação Japonesa de Zoos e Aquários (JAZA). Foi o maior aquário do mundo, até que foi superado pela Georgia Aquarium em 2005.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s