A História do Black Sabbath

Black Sabbath

Black Sabbath

Sempre, nos primórdios de algum importante acontecimento histórico, é muito difícil se imaginar o impacto real que aquilo terá ou deixará de ter para os eventos subsequentes, e para todas as gerações futuras – algumas coisas são simplesmente efêmeras; outras, nem tanto, relativamente; e outras ainda, nos confiscam uma atenção e uma emoção desmedidas, que terminam por fazer-nos entender, freqüentemente muitos anos ou décadas depois, como a história estava se fazendo ali, naquele instante mágico, sem ninguém perceber. Assim, com certeza, as hordas e tribos de milhões de adolescentes, adultos ou coroas, disseminadas ao redor do mundo todo, podem muitas vezes se esquecer, ou não se dar conta, de certas situações e fatores que levaram o gênero musical que eles tanto curtem – o rock pesado, carinhosamente apelidado de “rock pauleira”, por muitos – a atravessar o limbo das idéias fantásticas e irrealizáveis, para chegar aos aparelhos de som e toca-discos de todo o mundo despejando decibéis incríveis de criatividade e energia sobre tímpanos e mentes incrédulas com tal invenção! Como reza a velho clichê: pode ser que muitos já tivessem passeado por tal praia, e molhado os pés nesse mar vigoroso – Cream, Jimi Hendrix, Blue Cheer, e muitos mais. Mas nada faria tal experiência sair tão assombrosa e envolvente quanto as reminiscências sujas e rebeldes de quatro garotos recém-saídos de uma das mais entediantes e lúgubres cidades industriais do norte da Inglaterra… E é o que constataremos aqui.

Categoria: Espaço Carmen Miranda Subcategoria: Sabra Cadabra Sobre: Heavy Metal Autor do texto: Denio Alves

Categoria: Espaço Carmen Miranda
Subcategoria: Sabra Cadabra
Sobre: Heavy Metal
Autor do texto: Denio Alves

Anúncios

Vinil: quais são os dez discos mais valiosos do mundo?

Artigo de Monique Dolan e Sophia Hernandez, publicado no The Audio Files em dezembro de 2010, relata quais são os dez LPs mais valiosos do mundo, confira:

10º "I Can’t Believe", THE HORNETS Vendido por 25 mil dólares Motivo: Este é um album de doo-wop, duplo, de 78 rotações, lançado em 1953.

10º “I Can’t Believe”, THE HORNETS
Vendido por 25 mil dólares
Motivo: Este é um album de doo-wop, duplo, de 78 rotações, lançado em 1953.

9º "God Save the Queen", compacto de 1977 do SEX PISTOLS Vendido por 25 mil dólares Motivo: Durante a semana em que o Sex Pistols assinaram com a A&M Record, o famoso "God Save the Queen", de 45 rotações e 7 polegadas, foi gravado e lançado. Poucas cópias sobreviveram com as capas originais intactas.

9º “God Save the Queen”, compacto de 1977 do SEX PISTOLS
Vendido por 25 mil dólares
Motivo: Durante a semana em que o Sex Pistols assinaram com a A&M Record, o famoso “God Save the Queen”, de 45 rotações e 7 polegadas, foi gravado e lançado. Poucas cópias sobreviveram com as capas originais intactas.

8º "Introducing... The Beatles", THE BEATLES Vendido por 25 mil dólares Motivo: Variações diferentes da capa desse álbum tem sido incessamente falsificada, mas o que há de tão especial com o original? Na parte de trás consta o logotipo da Vee-Jay e duas faixas adicionais: “Love Me Do” e “P.S. I Love You”.

8º “Introducing… The Beatles”, THE BEATLES
Vendido por 25 mil dólares
Motivo: Variações diferentes da capa desse álbum tem sido incessamente falsificada, mas o que há de tão especial com o original? Na parte de trás consta o logotipo da Vee-Jay e duas faixas adicionais: “Love Me Do” e “P.S. I Love You”.

7º "Stay Away, Joe", álbum promocional, ELVIS PRESLEY Vendido por 25 mil dólares Motivo: este álbum promocional foi feito para ser tocado apenas nas rádios da época.

7º “Stay Away, Joe”, álbum promocional, ELVIS PRESLEY
Vendido por 25 mil dólares
Motivo: este álbum promocional foi feito para ser tocado apenas nas rádios da época.

6º "Velvet Undergound & Nico", VELVET UNDERGROUND & NICO Vendido por 25.200 dólares Motivo: Esta test pressing (N.t.: test pressing são as primeiras prensagens do vinil feitas para ver se a matriz está OK) original de Norman Dolph contém material gravado do Sceptor Studios. Ao que consta, são mixagens ou gravações diferentes do que consta no álbum de estreia da lendária banda.

6º “Velvet Undergound & Nico”, VELVET UNDERGROUND & NICO
Vendido por 25.200 dólares
Motivo: Esta test pressing (N.t.: test pressing são as primeiras prensagens do vinil feitas para ver se a matriz está OK) original de Norman Dolph contém material gravado do Sceptor Studios. Ao que consta, são mixagens ou gravações diferentes do que consta no álbum de estreia da lendária banda.

5º "Do I Love You?", FRANK WILSON Vendido por 30 mil dólares Motivo: Acredita-se que existam apenas 3 cópias deste compacto. Esta terceira cópia foi comprada em um leilão online pelo valor acima.

5º “Do I Love You?”, FRANK WILSON
Vendido por 30 mil dólares
Motivo: Acredita-se que existam apenas 3 cópias deste compacto. Esta terceira cópia foi comprada em um leilão online pelo valor acima.

4º "The Freewheelin’", BOB DYLAN Vendido por 35 mil dólares Motivo: Reprensagens desse disco trazem modificações nas músicas - inclusive quatro delas nunca mais saíram posteriormente. Apenas a edição original - supostamente destruída pela Columbia Records – inclui quatro músicas perdidas e apenas poucos exemplares desses sobraram no mundo.

4º “The Freewheelin’”, BOB DYLAN
Vendido por 35 mil dólares
Motivo: Reprensagens desse disco trazem modificações nas músicas – inclusive quatro delas nunca mais saíram posteriormente. Apenas a edição original – supostamente destruída pela Columbia Records – inclui quatro músicas perdidas e apenas poucos exemplares desses sobraram no mundo.

3º "Yesterday and Today", THE BEATLES Vendido por 38.500 dólares Motivo: Antes da Capitol Records substituir a capa desse álbum por uma foto saudável com toda a banda, o grupo posou sorrindo com aventais de açougueiro segurando bonecas desmontadas e carne crua. Não é à toa que esse é o álbum dos Beatles mais desejados de todos os tempos.

3º “Yesterday and Today”, THE BEATLES
Vendido por 38.500 dólares
Motivo: Antes da Capitol Records substituir a capa desse álbum por uma foto saudável com toda a banda, o grupo posou sorrindo com aventais de açougueiro segurando bonecas desmontadas e carne crua. Não é à toa que esse é o álbum dos Beatles mais desejados de todos os tempos

2º "That’ll Be the Day", THE QUARRYMEN (pré-BEATLES) Vendido por 180 mil dólares Motivo: Apenas uma cópia desse álbum de 78 rotações foi prensada, e em seguida passou por todos os membros da banda e amigos. Este exemplar foi, enfim, perdido, mas redescoberto por Duff Lowe, ex-amigo de escola do Sir. Paul McCartney

2º “That’ll Be the Day”, THE QUARRYMEN (pré-BEATLES)
Vendido por 180 mil dólares
Motivo: Apenas uma cópia desse álbum de 78 rotações foi prensada, e em seguida passou por todos os membros da banda e amigos. Este exemplar foi, enfim, perdido, mas redescoberto por Duff Lowe, ex-amigo de escola do Sir. Paul McCartney

1º "Double Fantasy" - JOHN LENNON & YOKO ONO Vendido por 525 mil dólares Motivo: John Lennon autografou esse exemplar apenas algumas horas antes de ser assassinado por Mark David Chapman

1º “Double Fantasy” – JOHN LENNON & YOKO ONO
Vendido por 525 mil dólares
Motivo: John Lennon autografou esse exemplar apenas algumas horas antes de ser assassinado por Mark David Chapman

Categoria: Espaço Carmen Miranda Subcategoria: Subculture Sobre: Rock e música Pop Imagem em destaque: Autografo dado por John Lennon pouco antes de ser assassinado Fonte: Whiplash

Categoria: Espaço Carmen Miranda
Subcategoria: Subculture
Sobre: Rock e música Pop
Imagem em destaque: Autografo dado por John Lennon pouco antes de ser assassinado
Fonte: Whiplash

Kid Vinil – “Uns 10 mil vinis e mais uns 10 mil CDs!”

No anos 70, em Londres, Nos anos 80 com o Magazine, Na Tower Records, em Londres, Kid Vinil Xperience, Com Glenn Hughes, com Jô Soares, Com Chris Robinson (Black Crowes), Na Brasil 2000, Com Joey Ramone e com Ian Gillan

No anos 70 em Londres, nos anos 80 com o Magazine, na Tower Records, em Londres, Kid Vinil Xperience, com Glenn Hughes, com Jô Soares, com Chris Robinson (Black Crowes), na Brasil 2000, com Joey Ramone e com Ian Gillan

Kid Vinil é uma lenda. Músico, radialista, crítico musical, apresentador de TV, já fez de tudo no mundo da música. Mas o que pouca gente sabe é que Kid possui uma das coleções mais completas, abrangentes e impressionantes do Brasil. Nesta longa conversa Kid contou como surgiu a sua paixão pelo rock, apresentou a sua coleção e deu várias dicas de grupos que valem a pena conhecer. Então sente na cadeira, puxe o bloco de anotações e curta com a gente as histórias de Kid Vinil.

Kid Vinil, antes de mais nada eu gostaria de agradecer a você por esta entrevista. Para começar eu gostaria que você se apresentasse aos nossos leitores.

Bem, meu nome verdadeiro é Antônio Carlos, mas sou mais conhecido como Kid Vinil. Tenho 51 anos, sou brasileiro, nascido em Cedral (SP). Comecei minha carreira como locutor de rádio em 1979 na extinta Excelsior FM. Fiz o primeiro programa de punk e new wawe do rock brasileiro. O apelido Kid Vinil aconteceu justamente nessa época e acabou sendo o nome do meu programa de rádio. Na época eu estava me formando em jornalismo. Paralelo à minha carreira radiofônica eu tinha minha banda, o Verminose, que tocava punk, rockabilly e new wave. Por volta de 83 mudamos o nome para Magazine e estouramos em todo país com os hits “Sou Boy” e “Tic Tic Nervoso”. O Magazine é uma versão mais new wave e mais pop do Verminose. A banda durou até 85, quando junto com o guitarrista André Christovan eu formei o Kid Vinil & Os Heróis do Brasil. Gravamos apenas um disco e o grupo acabou em 89. Nos anos noventa fiz um disco solo na RGE e reformamos o Magazine para shows, e em 2002 gravamos um cd da volta do Magazine pela Trama chamado “Na Honestidade”. Atualmente me apresento com a banda Kid Vinil Xperience, que toca um repertório bem variado, incluíndo os hits do Magazine, novas composições e algumas covers. Voltando à carreira radiofônica, já estive em quase todas as rádios rock de SP e fiz programas variados durante todos esses anos. Mais recentemente estava na Brasil 2000, onde cheguei até a cuidar da programação durante um ano e fiz diversos programas. Na TV apresentei no final da década de 80 o programa “Boca Livre” da TV Cultura, e nos anos noventa o “Som Pop”. Em 2000 apresentei na MTV o programa “Lado B”. Atualmente, além da banda sou DJ de festas de “rock alternativo” e festas temáticas de “anos 80”. Sei que já faz algum tempo, mas você lembra como foi o seu primeiro contato com a música e, mais especificamente, com o rock? Foi através da minha família. Meu pai é fã de Elvis e meu irmão dos Beatles. Foi assim que caí na vida.

Toda grande coleção tem o que eu chamo de o seu “ponto zero”, o seu marco inicial. Aquela hora em que nós, colecionadores, percebemos que somos diferentes dos nossos amigos, que apenas “consomem” música. A dedicação é maior, o investimento é maior, o cuidado com tudo é maior. Quando você percebeu que estava se transformado de um simples fã em um colecionador?

Acho que a partir do momento que eu comecei a ganhar uma grana para poder ter os discos que eu queria. Mas desde o inicio da década de setenta eu sonhava com isso. Guardava todos os trocados que eu tinha para comprar os LPs importados no Museu do Disco (loja lendária da década de 70 localizada no centro de SP)

Sacia a minha curiosidade: sei que a sua coleção é gigantesca, mas quantos álbuns no geral você possui?

Não sou um cara organizado que sai cadastrando e numerando seus discos, pois moro num apartamento pequeno e os discos ficam espalhados pela casa inteira, mas eu calculo, entre LPs, remixes e compactos de 7 polegadas, uns 10 mil vinis, e CDs também estou próximo de mais dez mil (originais).

Imaginei que seriam milhares, mas é realmente um acervo impressionante. Para dizer a verdade, o maior que já publicamos aqui na Collector´s Room. Entre todos estes itens, de quais grupos você possui mais material?

Talvez de bandas mais famosas e que desfrutam de uma discografia grande, como Beatles e Rolling Stones, isso incluindo bootlegs, edições raras, etc.

Além dos CDs, vinis e DVDs, com certeza você possui diversos outros itens na sua coleção, certo?

Na verdade, devido ao tamanho do lugar onde moro, não daria para comportar mais coisas além do que mais gosto, que são meus vinis, CDs e DVDs. Tenho revistas de rock tipo Mojo, Record Collector, NME, Uncut e outras mais underground, mas não dá para colecionar, quando vejo que tá ocupando espaço eu me desfaço delas. Outras bugigangas relacionadas ao rock, acho que não, nunca me interessei em colecionar peças de museu, ou guitarra de alguém, prefiro o disco.

Imagino que as pessoas não começaram a chamar você de Kid Vinil à toa. Conta para nós qual é a origem e como surgiu este apelido.

Na verdade o apelido surgiu por causa do programa de rádio em 79. Eu tinha voltado de Londres e tinha visto toda aquela movimentação punk por lá, daí queria fazer o programa de rádio, então precisava de um apelido. Pensamos em “Kosmo Vinyl”, que era o nome do tour manager do The Clash, mas seria muita cara de pau roubar o nome do cara, daí fiz uma composição. Tinha um DJ da BBC Radio chamado Kid Jensen, então eu emprestei dos dois e criei o “Kid Vinil”, que por acaso ficou legal, pois eu era um aficcionado por vinil.

Eu costumo dizer que, apesar do amplo horizonte que a música nos proporciona, abrindo as nossas cabeças, o rock ainda é, sem dúvida, o estilo mais apaixonante que existe. Neste sentido, você consegue contar para gente como foi a sua história, a sua trajetória dentro do rock and roll?

Primeiro foi Elvis, Paul Anka e depois Beatles e Stones. Mais tarde, quando eu tinha meus 12 anos, comecei a ouvir Hendrix e Janis Joplin, aos quatorze Black Sabbath e Led Zeppelin, Slade, Alice Cooper, The Who, Neil Young e toda geração Woodstock. Aos dezoito conheci Frank Zappa, me aprofundei em Bob Dylan, Jefferson Airplane, Grateful Dead e toda a geração psicodélica californiana. Aos 20 anos comecei a me interessar por jazz rock e ouvir de Miles Davis a Chick Corea, Mahavishinu Orchestra e Weather Report. Mergulhei no rock progressivo do King Crimson, Emerson Lake & Palmer, Yes, Pink Floyd, Genesis e toda geração progressiva. Em 74, cansado de tudo isso, comecei a ouvir David Bowie, Lou Reed, Stooges, MC5, T. Rex e Patti Smith. Alguns anos depois caí de cabeça no punk e na new wave do Television, Blondie, Elvis Costello, Ramones, Clash, Vibrators, Pistols, etc. Daí vieram outras tendências, o pós punk do PIL e do Gang of Four, os anos oitenta de Siouxsie, Cure, U2, Joy Division, New Order, Echo, Smiths, etc. Nos anos noventa o grunge do Nirvana e Mudhoney e o britpop do Suede, Pulp, Blur e Oasis, até os dias de hoje, quando ouço Arctic Monkeys e gosto de verdade, como continuo gostando de Sonic Youth.

Vamos voltar um pouco no tempo então: qual foi o primeiro álbum que você comprou?

Aos onze anos de idade comprei a trilha do filme “Yellow Submarine” dos Beatles, porque vi o filme e adorei a trilha.

Qual o item que você considera o mais raro da sua coleção?

Hoje fica difícil especificar algum item raro, pois quase tudo sai em CD e o vinil acaba perdendo um pouco o seu valor. Mas tem coisas que mesmo tendo sido editadas em CD ainda valem em vinil, como os títulos lançados pelo selo inglês Vertigo durante o final dos anos 60 e começo dos 70. Um dos que eu considero precioso é uma banda chamada Dr Strangely Strange, o disco chama-se “Heavy Petting”, a capa foi feita pelo Roger Dean (que fazia as capas do Yes) e lutei para conseguir uma cópia no eBay, que me custou mais de 100 dólares.

Kid, todo colecionador sonha, ou já pensou, naquele dia em que vai chegar a uma loja e comprar todos, literalmente todos, os álbuns que tem vontade. Infelizmente, na vida real isso fica um pouco mais difícil (risos), mas a gente continua sonhando. Então, qual foi o maior número de álbuns que você comprou de uma única vez?

Isso foi há uns três anos atrás, quando eu trabalhava na Trama e na MTV. Viajei para Londres e fui num atacadista de discos raros da década de setenta principalmente (mas relançamentos em vinil). Tem um selo italiano chamado Akarma, que lança tudo em vinil e CD, eles devem ter uns 200 títulos no catálogo, lembro que comprei todos os LPs e os CDs.

Como jornalista, apresentador, músico e referência em rock, você recebe muito material de gravadoras e artistas, e com certeza muitos destes itens não são do seu gosto pessoal. Você guarda todo este material promocional, ou fica só com o que realmente curte e repassa o restante?

Realmente fico somente com aquilo que me interessa, apesar que as gravadoras já sabem do meu gosto musical e se preocupam em me mandar só as coisas de rock que sabem que eu gosto. Nunca me mandaram discos de axé ou samba, aaaargh…

Apesar de receber todo este material, você ainda continua comprando itens para a sua coleção? Se sim, quantos álbuns em média você compra por mês?

Hoje eu compro muito menos discos, geralmente compactos de 7 polegadas (o chamado compacto simples) pelo correio das bandas estreantes inglesas. Tudo que é banda na Inglaterra lança suas primeiras músicas em compacto de vinil. Além dos compactos às vezes compro algum CD que eu sei que não vai ser lançado aqui.

Qual o item que você tem mais ciúmes, tem um carinho especial e não venderia de jeito nenhum?

Eu tenho ciúme de todos os meus discos, jamais vendo ou me desfaço de qualquer um deles, não sei especificar um em especial.

Entre todos os itens que você possui, quais foram os que deram mais trabalho para conseguir?

Alguns itens eu entrei em leilões no eBay, como o “Yardbyrds Live” de 1968 (esse disco é considerado um embrião ao vivo do Led Zeppelin, pois tem Jimmy Page na guitarra), é bastante raro e custou para conseguir. Alguns títulos do selo Vertigo (Ramases, Still Life), os lançamentos limitados em vinil do selo Shadocks da Alemanha (esse selo chegou até a lançar coisas obscuras do rock brasileiro como Sound Factory, Geração Bendita, Paebiru, Bango). A minha coleção de vinis do Canned Heat, a minha banda favorita de blues psicodélico. Outra coleção de vinis que eu prezo muito e sofri para conseguir todos foi do grupo canadense The Guess Who, que era uma banda pop da década de sessenta e que nos anos setenta deu origem ao BTO (Bachman Turner Overdrive).

Apesar de tudo o que você possui, existem alguns álbuns que você deseja e ainda não conseguiu para a sua coleção?

Na verdade exitem alguns do selo Vertigo que me faltam, mas custam muito caro, como:

Manfred Mann – Chapter Tree – Volumes One & Two
Legend – Legend
Nirvana – Local Anesthetic (esse era o Nirvana progressivo)

Kid, você possui algum lugar específico para guardar a sua coleção? E, além disso, tem alguma dica de como conservar todos estes itens?

Como eu falei anteriormente, moro num minúsculo apartamento e meus discos estão espalhados em várias estantes, cada uma tem uma ordem que só eu entendo. Outra parte está em caixas e daí vira uma puta zona. Conservação também fica difícil pela quantidade, só evito local úmido e coloco sempre capinhas de plástico para protegê-los melhor. Limpeza no máximo uma flanela umedecida com água, simplesmente para tirar o pó.

Eu queria que você fizesse agora um top#5 com os itens do seu acervo que você mais curte.

Neil Young – On The Beach
Alice Cooper – Easy Action
Aphrodites Child – 666
The Faces – A Nod Is Good As Wink To A Blind Horse
Slade – Slade Alive

Tenho certeza de que você já fez esta lista, mas vou perguntar do mesmo jeito: para você, quais são os dez melhores álbuns de todos os tempos?

Beatles – White Album

Rolling Stones -Exile On Main Street

Sex Pistols – Never Mind The Bollocks, Here´s The Sex Pistols
The Clash – London Calling
The Smiths – The Queen Is Dead
David Bowie – Ziggy Stardust And The Spiders From Mars
Bob Dylan – Blonde On Blonde

Lou Reed – Berlin
Stone Roses – Stone Roses

Oasis – Definitely Maybe

Sonic Youth – Daydream Nation
Pixies – Surfer Rosa

Podem ser doze?

Podem sim. E atualmente, nos últimos dois, três anos, que grupos tem chamado a sua atenção? E mais, que grupos você tem ouvido atualmente e que destacaria para os nossos leitores?

– Bell Rays

– Dirtbombs
– Drive By Truckers
– Arcade Fire
– Hard Fi
– The Kooks
– Detroit Cobras
– Forward Russia
– Guillemots

– The Cirbs

– The Spinto Band
– The Rakes
– Wolfmother
– We Are Scientists
– The Pipettes
– The Editors
– Secret Machines
– Band Of Horses
– The Elected
– Islands

Certamente, no meio de todo este acervo, deve existir alguns itens que você olha e pensa “nossa, porque eu comprei este disco?”. Então, vamos lá: qual é o item mais estranho da sua coleção, e também que álbuns as pessoas ficariam surpresas em saber que você possui?

Meu gosto é bem variado, tenho blues, jazz, country, folk. Uma vez o Massari veio fazer uma matéria em minha casa para a MTV e viu um disco da dupla Sony & Cher e um da Cher e ele achou muito estranho eu gostar da Cher, mas na verdade eu curto a Cher na década de 60, antes dela fazer sucesso no cinema, quando ela cantava baladas como “I Got You Babe”, que mais tarde o UB40 regravou com a Chrissie Hynde dos Pretenders. Tenho coisas bizarras em vinil, como as trilhas dos filmes B do Russ Meyer.

A Collector´s Room tem apresentado diversas coleções imensas, verdadeiros acervos históricos, literalmente impressionantes. Qual a sua opinião a respeito destes fãs dedicados que possuem, na maioria das vezes, mais material do que os próprios integrantes dos grupos dos quais são fãs?

Nunca fui muito chegado em fanatismo, gosto de ter sim os discos mais importantes de um grupo ou artista, o resto eu dispenso, mas tudo bem, “cada louco com a sua mania”.

O rock já está aí há mais de cinquenta anos, e passou por diversas fases neste tempo todo. Sendo assim, eu gostaria que você indicasse aos nossos leitores os álbuns que você recomenda das décadas de sessenta até hoje.

Anos 60
The Who – Sell Out
The Kinks – Face To Face
The Yardbyrds – Having A Rave Up
The Beatles – Revolver
The Rolling Stones – Their Satanic Majesties Request
Bob Dylan – Highway 61 Revisited
Jefferson Airplane – Surrealistic Pillow

Grateful Dead – Anthem Of The Sun

Frank Zappa – Freak Out!
Pink Floyd – The Piper At The Gates Of Dawn
The Velvet Undreground – The Velvet Underground
Led Zeppelin – Led Zeppelin I

Anos 70
Badfinger – No Dice
Black Sabbath – Master Of Reality

Lou Reed – Rock And Roll Animal

Alice Cooper – Killer
New York Dolls – New York Dolls
MC5 – Kick Out The Jams
Stooges – Stooges
Ramones – Ramones
Patti Smith – Horses
The Clash – The Clash
Sex Pistols – Never Mind The Bullocks
David Bowie – Aladin Sane

T. Rex – Electric Warrior
Roxy Music – Roxy Music

King Crimson – Starless And Bible Black

Anos 80
Elvis Costello – Get Happy
Devo – Freedom Of Choice
Dexys Midnight Runnes – Too Rye Ay
Joy Division – Closer
Gang Of Four – Solid Gold

Siouxsie And The Banshees – Kaleidoscope

The Cure – The Top

U2 -The Unforgetable Fire
Depeche Mode – Speak & Spell
Human League – Dare
Gary Numan – Telekon
Soft Cell – Non Stop Erotic Cabaret
PIL – The Flowers Of Romance

The Stranglers – La Folie

Xtc – English Settlement

Anos 90

Stone Roses – Stone Roses
Teenage Fanclub – Bandwagonesque
Nirvana – Nevermind
Mudhoney – Every Good Boy Deserves Fudge
Soundgarden – Badmotorfinger
Sonic Youth – Dirty

Pixies – Bossanova
The La´s – The La´s
Happy Mondays – Pills And Thrills And Bellyaches

Beastie Boys – Ill Comunication
Primal Scream- Screamadelica
Pulp – His And Hers
Smashing Pumpkins – Gish
Blur – Parklife
Oasis – What´s The Story Morning Glory
Super Furry Animals – Fuzzy Logic
Boo Radleys – Giant Steps
My Bloody Valentine – Loveless
Pavement – Slanted And Enchanted

Anos 00

Strokes – Is This It
Arcade Fire – Funeral
Interpol – Turn On The Bright Lights
Belle And Sebastian – Fold Your Hands Child, You Walk Like A Pesant
The Libertines – Up The Bracket
The Coral – The Coral
The Rakes – Capture/Release
Hard-Fi – Stars Of Cctv
The Ordinary Boys – Brassbound
Black Mountain – Black Mountain

Wolfmother – Wolfmother
Bloc Party – Silent Alarm
Ladytron – Witching Hour
Silver Jews – Tanglewood Numbers
The Magic Numbers – The Magic Numbers
Kaiser Chiefs – Employment
The Futureheads – The Futureheads
The Flaming Lips – At War With The Mystics
Mystery Jets – Making Dens
Editors – The Back Room
Maximo Park – A Certain Trigger

Eu me lembro que, quando comecei a ouvir música, em meados dos anos oitenta, me chamou a atenção aquele cara ruivo, gordinho e de bigode que liderava uma banda que cantava o hit “eu sou boy, eu sou boy, eu sou boy”. Como foi para você a experiência com o Magazine, transformando-se de jornalista em músico, indo para a frente das câmeras?

Foi um processo natural, pois a banda corria paralela à minha carreira no rádio e na TV. Acho que trabalhar com rádio ajudou bastante, pois aprendi a improvisar e de certa forma atuar foi um passo à frente.

É palpável a sua paixão pela música. A sua coleção é uma das mais respeitadas do Brasil. Qual é a sensação que você sente ao parar e olhar para todo este acervo reunido ao longo de todos estes anos?

Eu adoro essa minha coleção, cada disco tem uma história. É engraçado quando começo a olhar e procurar algum disco e vejo os outros e começo a lembrar como consegui, onde, em que circunstâncias. É um pedaço da minha vida.

Este amor pela música já fez você atuar em diversas áreas. Músico, jornalista, escritor, apresentador, radialista. Qual destas atividades te deu mais prazer?

Eu adoro fazer rádio, sempre gostei. Hoje estou fora do rádio, mas gostaria muito de voltar, pois as emissoras estão cada vez mais pobres em termos de programação.

Pode parecer um ranço meu, ou até mesmo imaturidade, mas eu não consigo ver na cena musical brasileira,

e estamos falando somente sobre rock, uma qualidade, uma variedade e uma riqueza musical tão grande, ou equivalente, às cenas inglesas e americanas, por exemplo. Você tem uma visão muito mais completa e abrangente que a minha, isso não se discute, mas o que eu queria saber é se você também sente isso em relação ao cenário rock and roll brasileiro, e a que atribui isso?

Hoje o rock brasileiro tenta sair desse marasmo que ele entrou nos anos noventa, algumas boas bandas estão se destacando até lá fora. Vocês sabem que o Cansei de Ser Sexy assinou com a Sub Pop, mas ainda é pouco. Gosto do Jumbo Elektro, Mombojó, da Karine Alexandrino, enfim existem algumas boas propostas espalhadas pelo país. Mas a maioria ainda está nessa de hardcore ruim, emocore e outras chatices que já encheram o saco. O conhecimento musical dessa nova geração é muito limitado infelizmente, porque eles não se interessam em pesquisar ou ir fundo na matéria. Uma pena!

Pessoas como nós, que já não tem mais vinte e poucos anos, estão órfãos de uma programação musical de qualidade na TV. A MTV possui uma programação totalmente “teen”, e é praticamente impossível para na frente da TV e assistí-la por muito tempo. Você não sente vontade de desenvolver algum programa para este público mais maduro, que possui um conhecimento musical e não consome qualquer coisa que a mídia apresenta?

Com certeza, vivo pensando nisso, mas está dificil viabilizar em alguma emissora de TV. O interesse deles sempre bate na breguice. Quando alguém acreditar e bancar uma proposta dessas eles vão ver que dá resultado. O dificil é convencer alguém. Eu tentei fazer isso na Brasil 2000, mas as pessoas viviam em outra realidade e não queriam saber de cultura musical, era um querendo derrubar o outro o tempo todo, briga de poder e nessas eu acabei caindo.

Como já falamos antes, você já realizou inúmeras coisas dentro da música. Apresentador, crítico, músico, radialista. Na boa, o nome Kid Vinyl é praticamente uma “lenda viva” na música brasileira. O que você ainda gostaria de realizar em relação à música?

Uma coisa parecida com o que eu disse acima, ter o controle “total” sobre a programação de uma rádio, ou ter um programa de TV decente, sem interferências comerciais.

Você já está há muito tempo trabalhando com música. Como você vê a evolução do cenário musical brasileiro nos últimos vinte, trinta anos, de praticamente insignificante na época do primeiro “Rock In Rio” (1985) ao estágio atual, com milhões de fãs, veículos, selos e lojas especializadas? O que você acha que está melhor ou pior agora, e o que ainda precisa melhorar?

Certas coisas melhoraram, como a estrutura de shows. As pessoas se organizaram, os selos independentes vieram com força maior, a internet ajuda, e muito. Mas o que decaiu bastante foi a qualidade musical nas rádios e na programação das emissoras de televisão. Até a TV a cabo, que seria uma alternativa, está parecida com a TV comercial, sem qualidade nenhuma e apostando em programas cada vez piores. Vide “American Idol” e “Top of The Pops”, por exemplo. Tiraram o fabuloso “Later” do Jools Holland e colocaram no lugar o “Top of the Pops” (e isso é só um exemplo).

O formato “single” é um dos proferidos dos coleiconadores, seja pela quantidade limitada com que são lançados, seja pelas versões e músicas inéditas que muitos possuem. Porque você acha que o “single” não vingou no Brasil?

O preço de um single na Inglaterra está entre uma e duas libras, assim como o 7 polegadas. Aqui queriam cobrar quase o preço do CD normal, nunca daria certo. Se o single vende na Inglaterra é porque ele é barato e atrativo (músicas inéditas, duas partes, DVD single, etc). O mercado brasileiro tá todo errado, a começar pelo preço do CD, que não precisava custar 40 reais. Na Inglaterra um CD custa 40 reais, nos EUA custa 12/15 dólares, mas lá os caras tem poder aquisitivo para pagar esse preço, aqui é roubo!!!

São Paulo constantemente é citada como uma das cidades mais desejadas pelos colecionadores, não só brasileiros, mas em todo o mundo. A que você atribui esta quantidade enorme de lojas, de sebos, a própria Galeria do Rock (que só existe aqui), voltadas totalmente para o público consumidor de música?

Muita música brasileira antiga (bossa nova, anos setenta, soul, etc) é procurada pelo mercado americano, japonês e europeu. A Galeria do Rock é um “oásis” na vida dos paulistanos, pois somos felizardos em termos um lugar como aquele para encontrar quase tudo que procuramos. Os sebos são importantes porque, como eu disse, com os preços exorbitantes nas lojas normais a única alternativa são os sebos, que vendem pela metade do preço ou até menos.

Eu sou um consumidor de música há mais de vinte anos. Durante todo este tempo tive contato com as mais diversas publicações, dezenas de pessoas que, de alguma maneira, estiveram ou ainda estão envolvidas com o rock e com o metal. Quem você considera referência no cenário atual, onde um leque muito maior de opções é colocado à disposição dos fãs de música?

Continuo lendo as revistas inglesas Record Collector, Mojo e Uncut. Das publicações independentes gosto das inglesas Artrocker, Plan B e Clash. A título de informação entro sempre nos sites:

http://www.nme.com
http://www.cmj.com

http://www.xfm.co.uk

http://www.bbc.co.uk/radio1 (programas Zane Lowe e Steve Lamaq)
http://www.woxy.com

Lojas que frequento os sites e compro pelo correio:

http://www.roughtrade.com
http://www.piccadillyrecords.com
http://www.othermusic.com
http://www.normanrecords.com

Nestes anos todos de trabalho e envolvimento com a música você conheceu muitas pessoas, viveu e presenciou diversas histórias interessantes. Eu gostaria que você nos dissesse quais foram os momentos mais gratificantes e inesquecíveis de todos estes anos dedicados à música.

Um dos últimos foi na Trama, quando lancei os CDs do Belle & Sebastian e depois vim conhecê-los quando vieram para o Free Jazz, e qual não foi minha surpresa quando eles lançaram o primeiro DVD e, quando eles mostraravam o Brasil, me colocaram anunciando eles na MTV, foi gratificante! Conhecer os caras do Teenage Fanclub (uma das minhas bandas favoritas dos anos noventa). Ter lançado todos os CDs do Frank Zappa pela Eldorado na década de 90. Ter assistido ao Clash ao vivo na tour do álbum “London Calling” e quase vinte anos depois entrevistar o Joe Strummer para o Lado B.

Categoria: Espaço Carmen Miranda Subcategoria: Subculture Sobre: Rock e música Pop Fonte: Whiplash

Categoria: Espaço Carmen Miranda
Subcategoria: Subculture
Sobre: Rock e música Pop
Fonte: Whiplash

Vídeo

É tarde, mas em tempo

No dia 10 de junho João Gilberto completou 85 anos. Fecho o livro Passa lá em casa com a música de Vinicius de Moraes, Manhã de carnaval, na interpretação magistral de João Gilberto.

Vivendo no Copacabana Palace, João Gilberto trabalha em novo projeto

João Gilberto comemora seus 85 anos em silêncio e cercado de expectativa

Álbum inédito de João Gilberto com Stan Getz sai no exterior

No dia 7 de junho, três dias antes de completar 85 anos, João Gilberto ganhou um terrível presente de aniversário.

A 9ª Câmara do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro acolheu um recurso da EMI, impetrado pelo advogado recém-contratado, Rodrigo Fux, e determinou que fosse refeito o laudo pericial que avaliou em R$ 170 milhões o que a gravadora deveria pagar ao pai da Bossa Nova.

Este valor corresponderia a um percentual de 24% de tudo o que a EMI faturou com as vendas das obras de João desde 1964.

Em dezembro, o STJ deu ganho de causa a João Gilberto nesta pendência que dura 25 anos. Em resumo, João terá que esperar um pouco mais.

Para mim, João Gilberto é o cantor mais singular de nosso tempo. Um verdadeiro criador. Sua curiosa habilidade de cantar sem vibratos e seu impecável senso rítmico o fazem único – Stan Getz

Categoria: Espaço Carmen Miranda Subcategoria: Augusto de sapato novo Sobre: Música brasileira - MPB

Categoria: Espaço Carmen Miranda
Subcategoria: Augusto de sapato novo
Sobre: Música brasileira – MPB

30 anos sem o sambista Nelson Cavaquinho, poeta do juízo final

Nos sambas do compositor desfilam letras sobre desamores, despedidas e morte

Nelson Cavaquinho morreu no dia 18 de Fevereiro de 1986

O músico em documentário de Leon Hirszman, de 1969 Divulgação

O músico em documentário de Leon Hirszman, de 1969 Divulgação

30 anos atrás Nelson Cavaquinho desaparecia (dessa vez em definitivo) pela segunda vez na vida. Apesar de seus dois sumiços – ou de suas duas mortes, como provavelmente ele gostaria – sua figura continua sendo enigmática. Morreu em 1986, aos 74 anos, no Rio de Janeiro, mas sua voz rouca, suas músicas sombrias – que falam de desamores, despedidas e morte – ainda desnorteiam: não há em Nelson nenhum resquício do estereótipo do samba como uma música alegre, feita para agradar.

A primeira vez em que Nelson Cavaquinho desapareceu foi pouco antes da década de 1950. Nascido em 1911, fez sucesso até a metade do século passado quando a época áurea do samba (marcada por figuras como Carmem Miranda, Dalva de Oliveira e Dorival Caymmi) acabou. Ele e seu amigo Cartola, compositor de clássicos, como O Mundo é Um Moinho e As Rosas Não Falam, passaram anos de ostracismo artístico. Até que no início de 1960 foram redescobertos pela classe média carioca que buscava novos ares nos velhos morros cariocas.

Quando voltou, Nelson Cavaquinho já abandonara o cavaquinho que tinha lhe rendido o apelido na juventude. Seu instrumento agora era o violão, que ele tocou de forma única. Saído diretamente de um túnel do tempo, ele recendia há uma época passada, esquecida – ou que ao menos queria se esquecer. Se o Brasil se profissionalizava, Nelson era o símbolo do improviso, do amadorismo. Se éramos o país do futuro, ele era nosso passado de pé no chão. “Muito mais do que arcaico, Nelson parece ter nascido extemporâneo, na contramão da ‘promessa de felicidade’. É desse patamar que Nelson e Cartola compõem, esquecidos, mas também preservados”, escreveu no artigo Rugas, o artista plástico e ensaísta Nuno Ramos.

No entanto, ao contrário de Cartola que se fixou como um dos maiores sambistas brasileiros, Nelson Cavaquinho também é lembrado, mas em segundo plano. É que junto ao seu nome não é possível usar qualquer adjetivo que proponha sutileza ou conforto. Enquanto Cartola oferecia respostas e conselhos em suas músicas – Preste atenção, querida/ Embora eu saiba que estás resolvida/ Em cada esquina cai um pouco a tua vida/ Em pouco tempo não serás mais o que és –, Nelson oferecia incômodo puro e simples.

Em Nelson Cavaquinho, sambista e poeta, tudo remete ao final. Se, por exemplo, fala em folhas, lembra-se das secas. No Carnaval não há confete ou purpurina, mas partida para sabe-se lá quando voltar. E até sua barriga, na gíria cômica inventada por ele próprio, vira um cemitério de frango. Se o samba é muitas vezes um gênero que desconhece autores, confundindo-os nas coletâneas em que intérpretes desfilam pout-pourris recheados de clássicos, Nelson Cavaquinho é inconfundível.

Suas letras são sombrias, sua voz é rasgada, esculpida pelo excesso de álcool e tabaco barato. O modo como toca violão, usando apenas o polegar e o dedo mínimo, é dissonante, forte. Em um de seus sambas mais famosos, Nelson ordena: Tire o seu sorriso do caminho/ Que eu quero passar com a minha dor. Em outro, anuncia: É o Juízo Final, a história do bem e do mal/ Quero ter olhos pra ver, a maldade desaparecer. E, num terceiro, pede: Me dê as flores em vida/ O carinho, a mão amiga/ Para aliviar meus ais/ Depois que eu me chamar saudade/ Não preciso de vaidade/ Quero preces e nada mais.

Suas letras são sombrias, sua voz é rasgada, esculpida pelo excesso de álcool e tabaco barato. O modo como toca violão, usando apenas o polegar e o dedo mínimo, é dissonante, forte.

Nenhuma história poderia ser mais Nelson Cavaquinho do que a do próprio Nelson Cavaquinho. Obcecado pelo final, ele viu seu fim ainda em vida e depois voltou só para lembrar os brasileiros, empolgados pela invenção da bossa-nova, pela vida dourada da zona sul carioca, do barro de que também eram feitos. Seu estilo, como escreveu Ramos, era uma espécie de anti-João Gilberto. Enquanto um busca o minimalismo, a sutileza, o outro escancarava as dores de se estar vivo. Ainda segundo o ensaísta, há no sambista o desejo e a recusa do moderno, coisa que caracteriza quase tudo o que o Brasil almeja ser. “Em Nelson, a vida é o que é, num certo sentido, aquilo que sempre foi. Por isso, não carrega ansiedade nem projeto. Parece tão desejável quanto a morte”.

E, contudo, apesar de ser provavelmente o sambista que mais escreveu sobre o fim, a imagem que talvez melhor defina sua personalidade é a do mito que diz que ele próprio, Nelson Cavaquinho, tremia de medo ao pensar em seu juízo final. Conta-se que ele passou uma madrugada inteira atrasando o relógio: a ideia era que, desse modo, ele poderia enganar a morte. Sabe-se hoje que a tática não deu certo, mas Nelson, de um jeito ou de outro, ao mexer nos ponteiros, conseguiu permanecer parado no tempo, dentro do passado de onde veio. E, por isso mesmo, é hoje uma ponte para o que o Brasil foi e deixou de ser.

Categoria: Espaço Carmen Miranda Subcategoria: Augusto de sapato novo Sobre: Música brasileira - MPB Fonte: El País

Categoria: Espaço Carmen Miranda
Subcategoria: Augusto de sapato novo
Sobre: Música brasileira – MPB
Fonte: El País

Chico Buarque: “A música brasileira não exclui, assimila”

Chico Buarque, “um sujeito magro e tímido, simples e sorridente”. / LUIZ MAXIMIANO

Há apenas uma coisa mais difícil de encontrar do que alguém que fale mal de Chico Buarque no Brasil: uma mulher que não seja apaixonada por ele. Olhos fascinantes de uma cor estranha entre verde, azul e cinza são uma lenda nacional. Suas canções, por si só, já fazem parte da história, da herança e da identidade diária de um povo. Por isso, é um pouco intimidante se aproximar do edifício de um bairro nobre do Rio de Janeiro, onde o cantor mora, e subir no elevador imaginando o que te espera atrás da porta. O que se encontra é um sujeito magro e tímido, simples e sorridente, que esperava sentado sozinho em uma cadeira e assim que vê o recém-chegado o convida para um café que acabou de fazer. A sala de estar de Chico, aberta em três paredes de vidro com vista para várias praias do Rio, goza de uma paisagem deslumbrante nesta bela tarde ensolarada e iluminada de fim de verão. Ao fundo, em um canto, há um violão e um piano, ao lado de uma enorme foto na qual Chico aparece ao lado de Vinicius de Moraes e Tom Jobim, dois dos lendários criadores da bossa nova.

Sobre uma mesa repousa o novo romance do artista, O Irmão Alemão (Companhia das Letras). Nele, Chico (1944) narra seu choque ao saber, já adulto e de forma inesperada, que seu pai, o famoso historiador Sérgio Buarque de Hollanda, teve um filho na Alemanha, em 1930, quando era correspondente em Berlim para um jornal brasileiro. Nem Chico sabia até então que tinha um irmão na Alemanha, nem esse irmão alemão jamais soube que era parente de um dos cantores mais famosos do Brasil já que morreu, em 1981, ignorando quase tudo sobre seu pai biológico. O escritor disfarça um pouco os fatos, mas nas páginas do romance desfila a São Paulo dos anos sessenta e setenta, menos gigante e desumana do que a atual, e sua própria juventude um pouco desregrada. Também emerge a ditadura sinistra, à qual Chico se opôs desde o início e que o levou a buscar o exílio, em 1969. Mas, acima de tudo, revela a casa da família, repleta de cima a baixo com livros de seu progenitor. Era um pai amável, mas distante, carinhoso, mas distraído, e um pouco ausente, sempre imerso em leituras intermináveis e envolto em uma nuvem de fumaça de um cigarro continuamente aceso. No romance, o protagonista, um sósia do próprio Chico, enquanto folheia um dos livros da imensa biblioteca do pai, nota um envelope perdido entre as páginas que guarda uma velha carta em alemão, que lhe dá pistas sobre aquele irmão que nunca conheceu. Na verdade, a descoberta não foi tão literária.

Pergunta. Quando soube que tinha um irmão?

Resposta. Soube exatamente em 1967, quando tinha 23 anos. Lembro-me muito bem, inclusive há uma foto desse dia. Vinicius de Moraes, Tom Jobim e eu fomos visitar o poeta Manuel Bandeira, que já estava muito velhinho, em sua casa no Rio. E, então, falando disso e daquilo, Bandeira perguntou por meu pai, de quem era muito amigo: “Como o Sérgio está? Ah, quanto tempo não o vejo, vivemos tantas coisas juntos… Foi para a Alemanha, teve aquele filho…”. E aí soltou isso.

P. O que você fez?

O cantor e escritor Chico Buarque. / LUIZ MAXIMIANO

R. Então lhe disse: “Mas que filho?”. E aí o Vinicius respondeu: “Mas você não sabia disso, do filho?”. E eu: “Não”. Eu não sabia nada. Era um segredo de família. Depois daquele dia, falei com meus irmãos e com meu pai. Falei com o meu pai, sim, mas sempre havia uma barreira na hora de perguntar a ele. Escrevendo este novo livro me questionei por que não perguntei mais. Mas havia um receio, um impedimento. Não é que meu pai tenha me proibido de perguntar sobre a questão do filho, mas me sentia um pouco desconfortável sobre o assunto. Em relação à minha mãe e ao meu pai.

P. E isso se tornou uma obsessão ao longo dos anos? Porque você continuou investigando, principalmente após a morte de seu pai, em 1982. Até mesmo a editora que iria publicar o livro, a Companhia das Letras, contratou dois detetives para ajudá-lo na investigação.

R. Não, não, não eram detetives [risos]. Eram historiadores. Um deles era um brasileiro que, por acaso, estava na Alemanha quando comecei a escrever o livro, há três anos. É verdade que foi contratado pela editora. Ele conhecia um documentalista alemão especializado em imigração alemã no estado de Santa Catarina. Eles descobriram que meu irmão, na verdade, se chamava Sérgio Günther e havia sido adotado por uma família quando pequeno. A verdade é que, quando comecei a escrever o livro, tinha muito pouca informação. Mas nem precisava. Nem sequer pretendia encontrá-lo. A história não ia por aí. Mas aconteceu que, enquanto escrevia, um dos meus irmãos, que vive no apartamento da minha mãe, que morreu há cinco anos, encontrou em uma gaveta alguns documentos que tinham dados para puxar o fio. Eu tinha 50 páginas do livro, que deixei como estavam. Mas a realidade se intrometeu na redação para sempre.

P. A história que o senhor narra no romance é boa, mas a realidade na qual se apoia também.

R. Sim, deveria escrever outro livro, porque, no final, o romance acaba competindo com a história real, que é muito impressionante.

É verdade. Através desses documentos, Chico tomou conhecimento de duas coisas: que seu pai havia solicitado às autoridades alemãs que enviassem seu filho fornecendo a documentação necessária ou, pelo menos, conseguir que ele recebesse uma pensão que prometia enviar. A segunda é que a mãe biológica tinha decidido, em meio à convulsão enfrentada pela Alemanha da época, entregar o menino ao Estado para que fosse adotado. Uma carta enviada a seu pai, em 1934, pela Secretaria da Infância e Juventude de Berlim (e que terminava com um rigoroso “Heil Hitler!”) pedia a Sérgio Buarque de Hollanda que, para que seu filho fosse adotado pela família alemã Günther, que estava interessada na criança, deveria encaminhar o mais rapidamente possível certificados que comprovassem a religião católica do pai. Chico, ao ler a carta, imaginou, com assombro e espanto, que as autoridades alemãs exigiam isso para que ficasse evidente que o pequeno Sérgio não tinha sangue judeu nas veias. Caso contrário, em vez de uma família qualquer, ele poderia ter sido transferido para um campo de concentração. Os historiadores finalmente conseguiram, em 2013, identificar o irmão, Sérgio Günther, que morreu em 1981, e localizar sua ex-esposa, filha e neta. Poucos meses depois, Chico viajava a Berlim para conhecer a outra parte de sua família e saber mais sobre seu meio-irmão.

P. E soube que seu irmão tinha sido um cantor…

R. Sim, ficou bem conhecido na Alemanha Oriental como cantor e apresentador de televisão. Quando soube que tinha sido cantor, senti uma emoção forte. E sabe, quando ouvi um de seus álbuns percebi que tinha a voz grave do meu pai. Porque meu pai gostava muito de cantar. E soava igual.

P. Tinham mais coisas em comum?

R. Ambos morreram de câncer de pulmão. Meu pai fumava muito. Quando conheci a família do meu irmão, sua viúva (uma de suas viúvas, porque ele se casou mais de uma vez) me disse que Sérgio Günther arrancava o filtro dos cigarros que fumava. Exatamente como meu pai. Coisas assim que arrepiam. Todo mundo lá me disse que minha música A Banda havia sido traduzida ao alemão e era bem conhecida na Alemanha Oriental, com uma letra muito diferente e um pouco absurda, na verdade. Portanto, não é estranho que meu irmão tenha realmente me ouvido cantar. É uma maneira de ter me conhecido um pouco, certo?

P. Alguma vez teve curiosidade de saber quem era seu pai biológico?

R. Sua viúva me disse que, em um determinado momento, sim, que perguntou na Embaixada brasileira, mas na época a Alemanha Oriental era um país muito fechado, com poucas possibilidades de conseguir informação.

P. No livro, o protagonista, parecido com o senhor, rouba carros para se divertir. O senhor fazia a mesma coisa?

R. Sim. Ia com um grupo de adolescentes do bairro, eram os tempos de James Dean, rock and roll, de uma juventude um pouco rebelde. Por isso que nosso esporte era roubar carros, circular com eles pela cidade e depois deixá-los no fim do mundo. Fui para a cadeia por isso uma vez. A polícia me deu uma surra. Bom, mas isso já havia contado. Eu mesmo disse antes que descobrissem. Tive sorte porque no dia que me prenderam meus pais não estavam em casa, estavam viajando, e foi minha irmã que me buscou. Eu então era bastante…, enfim, dei muito trabalho para minha família.

P. Ao mesmo tempo, era muito bom leitor, certo?

R. Sim, é verdade. Foi também uma maneira de me aproximar de meu pai, que passou a vida entre livros. Eu diria que, antes de ser músico, queria ser escritor. Até que a música apareceu na minha vida e embarquei nela. Mas não abandonei a ideia de me dedicar à literatura. Nos anos setenta, publiquei meu primeiro romance, nos oitenta, o segundo. Desde então alterno as duas coisas. Quando faço uma, não faço a outra, porque me consomem muito. Quando estou escrevendo nem sequer ouço música.

P. Mas são atividades assim tão diferentes?

R. Para mim, sim. Muito. E ainda assim minha escrita é muito influenciada por minha música. Talvez algo se perca nas traduções, mas meus textos tentam carregar algum ritmo musical. Além disso, tenho que alternar as duas coisas porque, pelo menos no Brasil, é muito difícil para um escritor viver apenas de literatura. Os escritores trabalham como funcionários públicos, professores, jornalistas… E tudo isso está tão longe da literatura quanto da música. O fato de ser jornalista, por exemplo, não lhe dá a habilidade de escrever literatura, acredito.

P. Comenta-se que cada vez escreve mais e compõe menos.

R. Componho menos do que aos 20. É normal. A música popular é mais uma arte da juventude, com o tempo você vai perdendo, não sei, não o interesse, mas ela já não flui com a abundância daqueles primeiros anos. Tenho que me esforçar mais, procurar mais, é mais difícil. No começo você tem um milhão de ideias, tudo em torno serve para fazer uma canção. Depois vai ficando mais insípido, menos inspirador.

P. Ainda acredita que o melhor de um show é quando acaba?

R. [Risos] Eu realmente não gosto muito de fazer shows não, mas tenho de fazer. Quando lanço um novo disco, me dá vontade de sair por aí e cantar em público. Além disso, com isso depois posso passar dois anos escrevendo. Caso contrário, iria à falência.

P. Por que a música popular brasileira é tão conhecida e a literatura não?

R. Pode ser porque seja pior, mas acho que não. É verdade, por exemplo, que a Argentina é um povo mais literário do que o brasileiro. E os escritores brasileiros também jogam com uma desvantagem, porque o português é mais desconhecido. E a riqueza musical brasileira é facilmente exportável, não precisa de tradução.

P. Por outro lado, por que a música brasileira é tão aceita, tão apreciada?

R. Porque, principalmente depois da bossa nova, tem a influência negra, é filha do samba, mas com um toque de jazz, um toque harmônico. E também tem influência dos grandes compositores da música clássica. Veja: Tom Jobim, nosso grande mestre, era um conhecedor profundo de Chopin e Debussy, dos impressionistas, entre muitos outros. E tudo isso está em nossa música, misturado, junto com os boleros cubanos e os ritmos mexicanos. O Brasil não exclui, assimila. O resultado foi complexo, rico e único.

P. Como era esse mundo? Como era conviver com Jobim, Vinicius?

R. Ah! Eles… eram acima de tudo grandes amigos. Olhe aquela foto, estou com os dois. Eu realmente comecei a me emocionar de verdade com a música, a decidir fazer canções a sério depois da canção Chega de Saudade, composta por Tom Jobim e Vinicius e interpretada por João Gilberto. Eu os tinha em um altar. Já conhecia Vinicius porque era amigo do meu pai, mas, para mim, era como falar com um monumento. Por isso, a primeira vez que vim ao Rio para conversar com Tom Jobim, imagine, era um sonho. Com o tempo se tornaram meus amigos, meus parceiros, fiz muitas canções com eles, fui aceito nesse seleto grupo da música popular brasileira.

P. Foi Tom Jobim que disse que o Brasil não era um país para amadores, correto?

R. Sim, e assino embaixo. É um país único, fruto da colonização portuguesa, com emigrantes de todo o mundo, italianos, alemães, árabes, japoneses, com a marca dos escravos trazidos à força… E com origens indígenas antes disso tudo. Tudo isso está presente agora. Em São Paulo, sem ir muito longe, você pode procurar nomes indígenas em muitas ruas. Essas circunstâncias criam um país único.

P. O senhor sempre teve uma posição política clara e explícita. Se opôs à ditadura e apoiou Lula e Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores.

R. Sempre me perguntam quando há eleições. Eu tomo partido e não tenho qualquer problema em declarar isso. Sempre apoiei o PT, agora a Dilma Rousseff e antes o Lula. Apesar de não ser membro do partido, de ter minhas desavenças e de votar em outros candidatos e outros partidos em eleições locais. Mas sempre soube que o problema deste país é a miséria, a desigualdade. O PT não resolveu tudo, mas conseguiu atenuar. Isso é inegável. O PT tem melhorado as condições de vida da população mais pobre.

P. E como o senhor vê a situação atual?

R. Muito confusa, não há nenhuma maneira de saber o que vai acontecer nos próximos anos. A crise econômica é forte. É preciso tomar certas medidas impopulares. Ao mesmo tempo, a oposição é muito dura. E depois há uma onda de manifestações nas ruas que, na minha opinião, não têm um objetivo concreto ou claro. Entre aqueles que saem às ruas há de tudo, incluindo loucos pedindo um golpe militar. Outros querem acabar com o Partido dos Trabalhadores, querem enfraquecer o Governo para que, em 2018, o PT chegue desgastado nas eleições. O alvo não é a Dilma, mas o Lula; têm medo que Lula volte a se candidatar.

P. E, para terminar: como se vive sabendo que é o homem mais desejado do país?

R. Isso já faz muito tempo.

P. E continuam dizendo.

R. Não sei nada sobre isso. Sou tímido, um cidadão sério, um homem de família. Inventam histórias, criam lendas que não têm muito a ver com a realidade. Não sou o sedutor que comentam.

A entrevista termina e o cantor tenta chamar um táxi para o jornalista através de um aplicativo do celular. Mas não consegue. “Minha neta sabe, mas eu não aprendo”, explica. Observa o bonito entardecer e diz: “Eu o acompanho.” Coloca shorts, um boné que esconde o rosto e caminha, junto ao jornalista, rua abaixo pelo Rio de Janeiro, falando dos pais, dos livros, das famílias e da música.

Chico Buarque

Rio de Janeiro, 1944. Ele é filho do conhecido historiador Sérgio Buarque de Hollanda e da pintora e pianista Maria Amélia Cesário Alvim. Começou a estudar arquitetura, mas abandonou o curso depois de dois anos, quando sua carreira como compositor e intérprete começou a deslanchar. Em 1966, conseguiu seu primeiro grande sucesso com a canção A Banda. Desde então, não parou de compor obras-primas como Apesar de Você, Construção, O Que Será (À Flor da Pele) e Cálice. É considerado um dos grandes nomes da música popular brasileira, ao lado de Tom Jobim e João Gilberto, entre outros. Em paralelo, desenvolveu sua carreira como escritor e dramaturgo. O Irmão Alemão, publicado pela Companhia das Letras, é seu quinto romance.

Categoria: Espaço Carmen Miranda Subcategoria: Augusto de sapato novo Sobre: Música brasileira - MPB Fonte: El País

Categoria: Espaço Carmen Miranda
Subcategoria: Augusto de sapato novo
Sobre: Música brasileira – MPB
Fonte: El País

E Lemmy finalmente se foi…

lemmy-kilmister-vocalista-e-baixista-do-motorhead-1945-2015-1451386330375_956x500Enfim, aconteceu. Lemmy se foi.

Relatos de amigos muito próximos dizem que um dia depois do Natal ele recebeu a notícia de que tinha um câncer muito agressivo. Tenho certeza absoluta que ele disse a si mesmo: “ah, foda-se! Agora chega! Não vou aguentar mais esta merda. Para mim, deu…” e, durante três dias, ele deu a ordem ao seu corpo: pare de funcionar! E Lemmy era tão poderoso que seu próprio corpo não teve coragem de contrariá-lo.

Meses atrás eu escrevi um artigo – que você pode ler aqui -, antecipando-me em homenageá-lo. Em vida. Não agora, em que as redes sociais estão congestionadas por pêsames e lamentações que o próprio Lemmy daria risadas. Na época em que escrevi o texto, muita gente me xingou pela ousadia de dizer aquilo que ninguém queria acreditar. Hoje, recebo de volta o reconhecimento por ter tido a coragem de expor a verdade do que estava acontecendo com ele por intermédio de um monte de gente relembrando este texto nas mesmíssimas redes sociais. Para outras pessoas, seria uma bela “lambida no ego”. Para mim, isto não tem a menor importância. O que penso neste exato momento é que Lemmy se foi e ficamos privados de ouvir novamente a voz de Deus caso Ele fosse chegado em um litro de uísque e dois maços de cigarro todo santo dia.

Como prometi anteriormente no texto que escrevi, não vou homenageá-lo agora que ele morreu. Já fiz isto enquanto ele estava vivo. Quero acreditar que ele agora está aqui ao meu lado, com um copo de Jack Daniels e Coca-Cola em uma mão, um cigarro na outra, com as indefectíveis botas brancas e jaqueta de couro surrada, dizendo em meu ouvido “Viu como vale a pena ser genuíno, cagar e andar para o que as pessoas pensam ou esperam de você e viver do jeito que se deve?”

Sempre foi divertido pensar que Lemmy, Keith Richards, Ozzy Osbourne e Iggy Pop seriam os únicos a pisar nas baratas sobreviventes a uma hecatombe nuclear que mataria a todos nós, menos a eles. Hoje isto não é mais engraçado. Nenhum deles é imortal. Um dia, estaremos aqui lamentando a partida de cada um. Que pena…

Deixa eu tomar o meu “Jack ‘n’ Coke” agora. Saúde, Lemmy!

Categoria: Espaço Carmen Miranda Subcategoria: Sabra Cadabra Sobre: Heavy Metal Fonte: Regis Tadeu

Categoria: Espaço Carmen Miranda
Subcategoria: Sabra Cadabra
Sobre: Heavy Metal
Fonte: Regis Tadeu

 

R.I.P Phil “Animal” Taylor

Lemmy e Phil

Lemmy e Phil

Em entrevista à Classic Rock, Lemmy comentou a morte do baterista Phil “Animal” Taylor.

“Estou me sentindo muito, muito triste no momento, na verdade, devastado, porque um dos meus melhores amigos morreu ontem. Eu já sinto falta dele. Seu nome era Phil Taylor, ou Philthy Animal, e ele foi nosso baterista duas vezes em nossa carreira.

Agora ele morreu e realmente fico puto que morra alguém como ele e George Bush ainda esteja vivo. É de fazer pensar.

Ainda vamos em frente, vamos em frente com força. Foram Wurzel e agora Filthy. É uma vergonha, cara. Eu acho que esse negócio de rock’n’roll faz mal para a vida humana.”

Ozzy Osbourne prestou em suas redes sociais a sua homenagem, ao estilo Madman, a Phil “Animal” Taylor, lenda do Motorhead, que faleceu anteontem.

“É uma terrível, uma terrível perda. Ele era um grande amigo – grande baterista – e grande cara cuja perda vai ser muito sentida. Hoje é um dia muito triste para mim. Descanse em paz – e ele ainda me deve $500 por aquela vez em Vegas.”

Nascimento: 21 de setembro de 1954, Hasland, Reino Unido
Falecimento: 11 de novembro de 2015

Categoria: Espaço Carmen Miranda Subcategoria: Sabra Cadabra Sobre: Heavy Metal Fonte: Whiplash

Categoria: Espaço Carmen Miranda
Subcategoria: Sabra Cadabra
Sobre: Heavy Metal
Fonte: Whiplash

Vídeo

K de K7, fita cassete

walkmanQuem foi adolescente entre a década de 80 e 90 lembra bem das fitas cassetes. Lembra que para economizar as pilhas do walkman usávamos canetas presas aos dentes para rebobiná-las. E quando1 enroscava no aparelho de som? Eu ficava desesperada, era sempre a fita que mais gostava. Saia toda amassada, mastigada, um horror! Ainda conservo comigo algumas fitas cassetes. Umas das mais importantes que tenho é de uma entrevista que gravei da Cássia Eller apresentando o CD, LP e K7 Veneno Antimonotonia na extinta Musical FM. Outra é o Paulinho da Viola apresentando seus principais clássicos.

Saudade? Nenhuma. A saudade que tenho é de um tempo em que as pessoas realmente ouviam música e sabiam o que estavam ouvindo.

Categoria: Espaço Carmen Miranda Subcategoria: Subculture Sobre: Rock e música Pop Imagens: Zim and Zou

Categoria: Espaço Carmen Miranda
Subcategoria: Subculture
Sobre: Rock e música Pop
Imagens: Zim and Zou