Fantasmas Solitários

Sabe-se logo de inicio que Augusto, personagem principal do livro Passa lá em casa, é apaixonado por desenhos. Em um dos primeiros trechos do livro encontramos ele assistindo o desenho O porco, o espinho e o dedo, dublado pelo seu amigo de infância Ananias. O texto é precedido por uma frase de Lucy do Peanuts sobre amor e chocolate. Antes,

Se for humano, pode entrar! Se for fantasma, atravesse a porta! Mickey e Os Sete Fantasmas - Almanaque Disney nº 118

Se for humano, pode entrar! Se for fantasma, atravesse a porta!
Mickey e Os Sete Fantasmas – Almanaque Disney nº 118

numa espécie de carta aberta ao leitor ele relata um acontecimento de infância, em que, se não fosse pelo Scooby Doo, não teria salvo a vida de uma menina. Lembra-se da coleção de gibis que ganhou do pai em seu leito de morte.
“Uma das coisas que ele disse foi justamente em criar um mundo para onde eu pudesse correr e viver outra vida. Eu corri para a Casa dos Sete Fantasmas. História criada por Floyd Gottfredson em 1936. A derradeira história que ele leu para mim. Dele herdei uma respeitável coleção de gibis Disney e comprei outros tantos. Minha bolha. Eu ligava a TV e assistia Snoopy, minha bolha. Assistia o que passei a chamar de Lado B Hanna-Barbera, que ia de Brasinhas do espaço, passando por Urso do cabelo duro e Os Muzzarelas. Scooby Doo, Os Jetsons e Josie e as Gatinhas. Isso sim é a mais pura Bolha psicodélica”.
Com os amigos Ananias e Adamastor, eles acabam questionando se um homem adulto, em torno dos 40 anos, deve ou não assistir desenhos e se deliciar, ele come chocolates enquanto assiste, ler gibis e conversar com uma vampira se ela prefere as historias de detetives.
Floyd Gottfredson foi o grande responsável pela transformação do Mickey num rato aventureiro. Até então ele não passava de um ratinho metido em confusões. Em meados da década de 30 ele parou de beber, fumar e abriu uma agência de detetives.

Caminha sem se mover, fala com quem não está... Já descobri a resposta... É sonhar!

Caminha sem se mover, fala com quem não está…
Já descobri a resposta… É sonhar! – Clássicos da literatura Disney

Quando meus irmãos e eu descobrimos Mickey, ele já estava consolidado pelas mais variadas aventuras idealizadas pelas mentes criativas dos desenhistas da Disney. Com ele vieram os vilões, Mancha negra, João Bafo-de-onça, Dr. Estigma, Professor Gavião dentre outros. Mergulhar nas estórias e ser levado para um mundo totalmente oposto

Sempre há um novo arco-íris - Tio Patinhas Desenho de Carl Barks

Sempre há um novo arco-íris – Tio Patinhas
Desenho de Carl Barks

daquele que vivíamos foi para nós um amortecedor e catalisador daquilo que viríamos a ser. Fala-se que a leitura pode levar a qualquer lugar, podemos dizer que em nossa infância e adolescência levamos isso muito a sério. Paralelamente, assistíamos: Hanna-Barbera e aqueles filmes japoneses tipo Jaspion e Robô Gigante, mas disso falamos depois.
A história que mais marcou nossa infância foi Mickey e Os sete fantasmas, às vezes também conhecido como A casa dos sete fantasmas. teve sua primeira publicação no dia 10 de Agosto de 1936 em 96 tiras diárias no Daily strips USA. O roteiro ficou por conta de Ted Osborne, desenho e trama por Floyd Gottfredson. No ano de 1937 o desenho Fantasmas solitários (Lonesome Ghosts) estreia e tem base na H.Q, porém com algumas modificações. Nesse caso quem contrata a agencia de detetives são os próprios e entediados fantasmas. Em Agosto de 1949 o tema é retomado com os desenhos de Dick Moores e é publicado com o nome “A casa dos sete fantasmas”. Há 25 anos esse gibi está em nossa estante do qual foi lido dezenas e dezenas de vezes. Neste exato momento minha sobrinha de seis anos, Milena lê a estória para sua avó, minha mãe.
Augusto, o personagem, também é fã do trabalho de Floyd Gottfredson e ganha de aniversário de uma princesa babilônica, um desenho autografado pelo mestre logo depois de ver seus amigos Ananias e Adamastor serem decapitados pela deusa Kali. Zípora, a djim, restitui a vida aos gêmeos logo em seguida.

Querem-Hapuc também é fã de gibis, quando Augusto foi visita-la ele levou um gibi.
“Uma biblioteca com uma coleção invejável de literatura árabe e gibis”.

Não falei que tô apaixonado por ela, simplesmente disse que gosto muito do chão que ela pisa - Linus Peanuts

Não falei que tô apaixonado por ela, simplesmente disse que gosto muito do chão que ela pisa – Linus Peanuts

Bom dia... sou nova nesta escola... devo agora me apresentar... meu nome é Pudim de Tapioca. Com o meu nome os cabelos loiros e o meu sorriso, meu pai disse que podemos ganhar um milhão de dólares

Bom dia… sou nova nesta escola… devo agora me apresentar… meu nome é Pudim de Tapioca. Com o meu nome os cabelos loiros e o meu sorriso, meu pai disse que podemos ganhar um milhão de dólares – Peanuts

Tudo que você realmente precisa é amor, e um pouco de chocolate - Lucy Peanuts

Tudo que você realmente precisa é amor, e um pouco de chocolate – Lucy Peanuts

É claro que Querem-Hapuc soube consternada que num passado não muito distante os quadrinhos Disney quase foram levados a extinção. Augusto relatava seus dias de angustia e trevas ainda consternado. Mas passou.

Atenção amantes dos quadrinhos Disney, uni-vos!

A ifritah mostrou para Augusto em uma fina nevoa que a coleção de Carl Barks voltaria em 2014 trazendo severas discussões entre conservadores e aqueles que exigiam material novo.
Querem-Hapuc se abastecia com material europeu, mas ficou encantada com o brasileiro. Comprou todos, ou melhor, fez a djim abarrotar uma das suítes de gibis.
Se for fantasma atravesse a porta…
Levy diz para Augusto que há um espectro em seu novo filme. Augusto sabe que há.
“Haahh! Quanta saudade Scooby! Daquelas tardes depois da escola, em que chegava em casa e nem tirava o uniforme e o almoço ficava pra depois. Ligava a TV e se acomodava na poltrona para assistir ao Zé Colméia e Catatau, Plic, Ploc e Chuvisco, Manda-Chuva e sua turma, Pepe Legal e Babalu, Penélope Charmosa”.
Em uma dessas feiras de design que tem espalhadas pelo Brasil a arquiteta, personagem do livro, leva seu bofe. Ele então personal trainer do condomínio, não tem pudores de trepar com qualquer um que acene uma bandeira. Pois é justamente na feira que trepa com dois homens e depois a própria arquiteta recebe seu quinhão no rabo. O trecho é precedido pela frase tirada do desenho Os Herculoides, não por acaso.
O que posso dizer disso?
Se por um lado éramos devotos da “narrativa” Disney, na imagem em movimento nosso negocio era Hanna Barbera. De preferência o lado B. Aqueles desenhos que passavam em “outros canais”. A psicodelia com grande apelo visual ficava evidente na van chamada Máquina Mistério e uma fome suspeita de Salsicha e Scooby. Além da influencia forte do rock e da cultura pop nos desenhos em geral feitos entre a década de 60 e 70. Assisti a um episodio d’os Jetsons há alguns dias, George aperta um botão e é inserido virtualmente no cenário do programa. Alguém já ouviu falar disso?

Josie e as gatinhas, Urso do cabelo duro, Goober e os Caçadores de Fantasmas, Carango e motoca, Os Muzzarelas…

Só sessenta minutos? Eu pensei que fosse uma hora - Tutubarão

Só sessenta minutos? Eu pensei que fosse uma hora – Tutubarão

Uma frase tão conhecida de Jonny Quest precede o trecho em que Augusto vai destruir sua empregada, Quitéria. Ela que fora transformada em vampira, Augusto lembrou que a anciã não tinha dentes. Sem questionar esse detalhe, ele sabia que tinha que destruí-la. Assim durante a madrugada adentrou no cemitério da Consolação com os apetrechos de se matar vampiros.
A caminho da morte, Augusto perde a noção de tempo no hospital. Nem mesmo sabe ao certo quem o visita. Ele tem pressa, mas não quer morrer tão jovem e de forma tão sofrida.
“Quando tudo termina? Tô agoniado”.
A ultima grande influencia de nossas vidas veio com Snoopy. A primeira vez que vi não gostei. Aquelas caras riscadas, mas…
Certa vez ouvindo pelo rádio uma entrevista de Benito di Paula,

O que um cientista pode querer com porquinhos da Índia? - Herculoides

O que um cientista pode querer com porquinhos da Índia? – Herculoides

ele conta como surgiu a música Charlie Brown. Estava hospedo numa pensão no litoral de São Paulo. Os proprietários italianos recebiam todo domingo o jornal de seu país. A família se reunia e todos morriam de rir. O cantor quis saber do que tanto riam e mostraram as tirinhas. Benito di Paula convida literalmente Charlie Brown para vir ao Brasil, afinal ainda não havia tradução para suas estórias por aqui. Assim nasce um de seus maiores sucessos dos quadrinhos.
Já muito doente, Augusto é desafiado para uma adivinhação. As três tias admiradas não se conformam dele ter acertado sem titubear. Vão atrás da resposta na HQ que ele estava lendo. Justo naquela hora em meio a leitura ele, e Linus conhecem uma garotinha chamada Pudim de Tapioca.
Sobre Peanuts, Charles Schulz disse que o desenho não era destinado ao publico infantil e que isso foi um acidente. Com melancolia e toda crise existencial que cerca a personagem, dono do Snoopy, fica difícil explicar o fascínio que ele exerceu e exerce sobre adultos e crianças.

Surge no ar um magnífico avião a jato, levando em seu interior nossos heróis: Jonny Quest, Dr. Benton Quest, Roger “Race”Banon, Hadji e Bandit - Jonny Quest

Surge no ar um magnífico avião a jato, levando em seu interior nossos heróis: Jonny Quest, Dr. Benton Quest, Roger “Race”Banon, Hadji e Bandit – Jonny Quest

Quando Augusto foi comprar seu luxuoso apartamento levou consigo os gêmeos, Ananias e Adamastor. Na brincadeira Augusto era o mordomo dos dois. De longe morria de rir da interação dos irmãos com a corretora. Era uma brincadeira? Uma confusão que eles fazem no apartamento modelo ou nada disso existiu?
Para finalizar a participação desses três desenhistas termino com uma frase de Tio Patinhas. Augusto está morto há algum tempo e é Parada gay e um anjo displicente esquece-se de quem deveria guardar e terá que responder por esse suicídio.
Somos 5 irmãos, Eleutério, Maurício, Marlúcia e Késia. Eu sou Fernanda, a mais velha, e espero que nos vejamos muito por aqui. O sexto fantasma será um convidado, e o sétimo, adivinha.

Categoria: KiSuco Sobre: Gibis, HQ, Mangás, Desenhos animados, Programas infantis, Brinquedos

Categoria: KiSuco
Sobre: Gibis, HQ, Mangás, Desenhos animados, Programas infantis, Brinquedos

Minha mãe explica para Milena o que é contrabando…

Anúncios

Ex Libris

Carmen MirandaUma História do Mundo.

Vulcões entraram em erupção.

Oceanos ferveram.

O universo estava uma confusão.

Então veio o cachorro[1]


[1] Snoopy – Charles Schulz;

Em Novembro de 1936 sai nos EUA as tirinhas de Mickey e os 7 Fantasmas com desenho de Floyd Gottfredson e roteiro de Ted Osborne. No ano seguinte é lançado o curta-metragem Lonesome Ghosts. Walt Disney

O link é fantasmassolitarios, e aqui o filme que inspirou o nome:

Corrida maluca

Todo ano, em West Sussex, na Inglaterra, acontece o Goodwood Festival Of Speed, no qual os personagens da Corrida Maluca ganham vida. Willian Hanna e Joseph Barbera

Eu me interessei pela arte musical pelos 13 anos – eu via todas aquelas garotas – eu tinha um cérebro de 13 anos, agora eu tenho um cérebro de 15 anos! Lemmy Kilmister

Eu me interessei pela arte musical pelos 13 anos – eu via todas aquelas garotas – eu tinha um cérebro de 13 anos, agora eu tenho um cérebro de 15 anos!
Lemmy Kilmister

Passa lá em casa veio a existir depois de ler até a página 40 um livro vampiresco. Estava no trem e era noitinha. Enfim, um lugar perfeito para se ausentar e transferir o medo para o sobrenatural. E não o medo do dia a dia. Então até a página 40 confirmou o que desconfiava.

Tenho tendência ao modelo clássico de vampiros. Nem me refiro a Bela Lugosi, Christopher Lee, menos ainda a Max Schreck. Refiro-me a três textos de horror do final do século XIX:

Drácula de Bram Stoker;

A morte amorosa de Théophile Gautier;

Carmilla de Joseph Sheridan Le Fanu.

Em minha mente, o vampiro clássico estava formado. Lembrando que Carmilla (1872) e A morte amorosa (1836) vieram antes de Drácula (1897).

Dois vampiros femininos antes de Drácula? Por que esquecidas, sendo A morte amorosa um dos textos “o mais famoso e o mais perfeito (talvez até perfeito demais, como frequentemente ocorre em Gautier)”, segundo Ítalo Calvino? Carmilla é uma das principais influencias de Bram Stoker para caracterizar definitivamente, ou quase, a imagem do vampiro. Porém, caiu no esquecimento logo que Drácula “criou vida” e se tornou um sucesso.

Outra questão.

Muito se fala sobre a influência de Vlad III sobre a obra do irlandês esquecendo que tão importante quanto esse príncipe da Valáquia, conhecido como o empalador, foi Erzsébet Báthory, conhecida como a Condessa de sangue. Ela torturou e matou de forma cruel mais de 650 mulheres na Transilvânia no século XVI. Dois genocidas conhecidos dos apreciadores do romantismo, cultura gótica, Idade Média…

Filme inspirado em Carmilla, e tem ainda João Gordo na versão dublada

Filme inspirado em Carmilla, e tem ainda João Gordo na versão dublada

Italo Calvino, importante filólogo italiano, em analisa ao texto de Théophile Gautier fala de sua perfeição estrutural, pudera, não a toa reconhecido como um dos primeiros parnasianos. O texto de Sheridan Le Fanu não fica atrás, onde sua obra, alem de ter uma vampira como personagem principal, há uma forte conotação lésbica no texto. Pior cego é aquele que não quer enxergar. Mesmo com defeitos na narrativa, Drácula é quem alcança e recebe estrelato definitivo levando Carmilla e Clarimonde ao ostracismo.

Sobre essa analise da literatura fantástica, transcrevo partes do texto de Sofia Geboorte:

“A evolução no comportamento da sociedade e consequentemente na visão masculina sobre a mulher, mudou ao mesmo tempo em que a literatura fantástica adaptava suas vampiras. Para compreender melhor essa evolução do mito podemos citar Todorov:

A evolução segue aqui um ritmo muito diferente: toda obra modifica o conjunto das possibilidades; cada novo exemplo modifica à espécie. Poderia dizer-se que estamos frente a uma língua na qual tudo o que é enunciado torna-se àgramatical no momento de sua enunciação.  (TODOROV, 1981, p.6)”

“Esses novos exemplos que modificam a espécie, são exatamente os mesmos que influenciam a sociedade e a literatura, em especial a fantástica. No caso do vampiro temos o mito literário que acompanhou as novas ideias filosóficas, como os

vampiros de Anne Rice que se ligaram em partes ao existencialismo de Sartre, e às novas teorias da psicanálise de Freud.

Devemos ressaltar neste ponto que assim como a literatura de um modo geral representa a sociedade, a literatura fantástica, sempre será uma expressão máxima da metafísica humana, pois através dela podemos identificar as metáforas da sociedade”.

Texto na integra aqui.

Poster do filme Nsferatu de 1922. Baseado na obra de Bram Stoker, quando o filme foi lançado a viuva do escritor entrou na justiça para destruir a obra. Friedrich Wilhelm Murnau conseguiu salvar uma cópia mandando por um amigo para os EUA

Poster do filme Nosferatu de 1922.
Baseado na obra de Bram Stoker, quando o filme foi lançado a viúva do escritor entrou na justiça para destruir a obra. Friedrich Wilhelm Murnau conseguiu salvar uma cópia mandando por um amigo para os EUA

Temos assim uma substituição do feminino para o masculino na literatura fantástica em especial a de vampiros. Adaptada a uma sociedade patriarcal.

Em A morte amorosa, vemos uma vampira seduzir o padre no dia de sua ordenação. Já em Carmilla sugere uma atração sexual de caráter lésbico, e para muitos críticos o melhor do século XIX.

Pois na composição das personagens femininas busquei algo entre Carmilla e a cortesã Clarimonde, por favor não me levem a mal, jamais me comparando a tais mestres. Sem pensar na imagem da vampira folheava um livro sobre Leonardo da Vinci me deparei com a pintura da amante de Ludovico Sforza, Lucrezia Crivelli, conhecida como La Belle Ferroniere. Ferroniere por conta do acessório usado na cabeça da modelo.

Muito se especulo sobre a identidade da retratada, pensou até mesmo ser Beatrice d’Este mulher de Ludovico ou Isabel de Aragão. Porém tudo leva a crer que seja Lucrezia Crivelli, pois é sabido que Da Vinci a pintou. Com esse rosto e a expressão… Ah! A expressão. Aí está minha vampira. Sobre a história de Beatrice d’Este uma resumida rápida. Apesar de muito se falar de sua irmã Isabela d’Este, Beatrice foi celebrada como uma das mais belas e cultas princesas do renascimento. gifMorreu aos 21 anos, desgostosa de um marido infiel que engravidou a amante ao mesmo tempo de tê-la engravidado. Morreu horas depois de dar a luz. Claro que a história que conto é pura ficção onde em apenas alguns momentos me aproximo do cenário do ducado de Milão. Afinal é uma história de vampiros, e vampiros não existem.

Na verdade existem no mundo inteiro, no leste europeu onde é o primeiro lugar que nossa imaginação corre para visualizar vampiros imortalizado por escritores irlandeses, Bram Stoker e Sheridan. Lá temos Upiercza, Ustrel, Vorkolaka, Nelapsi, Kukudhi ou Lugat, Mahr… Grécia: Vrykolaskas, Callicantzaros, Lâmia… Africa: Adze, Asasabonsam, Obayifo… Nas Américas: Cihuatetico, El Cuero, Tlahuelpuchi… oie_Jm21h9IKnW7kNos países árabes: Algul, Ghouls… Na Índia: Baital, Bhutas, Bramahparush, Churel, Rakshasas… No Oriente asiático: Mauri, Penanggalan, Pontianak, Aswang, Chiang-shih. No Brasil conhecido no nordeste como Encourado saiba mais aqui

Mas falar de Leonardo Da Vinci é chover no molhado. Na verdade meu problema não vem de Leonardo e sim leva a ele numa regressão.

Tudo começa com Augusto comprando um apartamento, até então sem novidades, mesmo quando dito cujo é construído sobre um shopping com segurança de presídio. O problema é que foi vendido como neoclássico. Daí você pensa, muitos o são. oie_tVhJ619H2KZBEle contrata uma arquiteta um tanto rebelde que decide decora-lo ao pé da letra. Não bastando, a vizinha de Augusto vem diretamente do renascimento. Pior, é vampira.

No casa de Zípora, ela é uma Ghul-I-Beaban, uma vampira canibal de cemitério. É minha vampira oriental. Augusto também acaba conhecendo a dita cuja. Conhece também uma sereia, etc…

Em 2007 li uma matéria sobre edifícios de luxo construído sobre o shopping. Escrevi 5 linhas para um futuro livro que seria uma observação negativa sobre o problema. Depois guardei. passa la em casa-leiaNesse mesmo ano fiz um exercício de projeto onde criei uma família pouco convencional com drags queens, uma ex-cantora de rádio, uma dançarina do ventre, um irmão sociólogo aposentado e cadeirante. Tudo isso sem esquecer Carmen Miranda.

O fato é, eu tinha uma imagem de vampiros que minha irmã achou por bem repensar. Que tudo poderia ser uma “licença poética”. Ela me deu uma “licença poética” que não consegui passar da página 40. Quando cheguei em casa, pelo trem da CPTM, disse que não queria saber daquela “licença poética”. Ela me encarou e perguntou:

Você faz melhor?

Não acho que o tema vampiro está na moda, acredito que ele nunca saiu de moda.

Busquei as cinco linhas sobre o tal condomínio e o projeto de arquitetura da faculdade com minhas drag queens. Isso foi em Outubro de 2009…

ROTEIRO DO BLOG

The Nightmare Before Christmas - Disney

The Nightmare Before Christmas

PÁGINAS

Ao lado de home temos as páginas do blog totalizando 11. Delas estão ligadas outras tantas paginas. Elas referem-se diretamente ao livro Passa lá em casa.

Augusto na Casa de Vênus: é em alusão a suíte que Jordâna vai decorar para uma das tias de Augusto, tendo em mente uma casa na Pompeia. A página trata-se das mulheres que serviram de inspiração para as personagens do livro. São nove musas mais Safo, nove artistas mais Cássia Eller. Lucrezia Crivelli, Beatrice d’Este, Carmen Miranda, Maysa, Anna Nicole Smith, Savannah, Greta Garbo, Marilyn Monroe e Barbara Hutton. Nesse caso, Lucrezia Crivelli e Beatrice d’Este aparecem na página Luz Halógena. Então temos 8 mulheres.

Dois irmãos, uma lenda: Penso que esses dois personagens, dos quais não nomeio, é um “presente” para o leitor. Aquela busca na qual nunca saberemos as respostas com exatidão;

Capas e resumos: como o nome diz, refere-se a primeiro momento sobre a publicação em plataformas de autopublicação, e o que virá depois em uma editora;

Fantasmas solitários: Eis um ponto importante que é o próprio endereço do site. De onde veio a inspiração para construção da personalidade de Augusto, personagem do livro Passa lá em casa;

Gatos, por companhia: Principalmente aqueles que fazem companhia para Augusto. A questão mítica que tais animais carrega, além do tratamento oposto ao do oriente dado a esses animais singulares no ocidente. Se você gosta desses bichos, vem pra e se aconchega;

Luz Halógena: Para Abigail, uma das personagens, poucas pessoas merecem estar sob a mira de refletores. Leonardo da Vinci mereceria? Pequena biografia sobre ele e as musas que imortalizou;

O Clássico: Como o nome diz, o clássico Greco-romano que é a base do mundo ocidental, mas acima de tudo, qual a função dele no mundo contemporâneo;

Passa lá em casa aos poucos: Escolhi alguns trechos do livro para o visitante;

Patylândia – Morar mais por muito mais: Morar mais por menos é o nome de uma “feira” onde arquitetos e decoradores fazem luxo com mixaria. Vou discorrer sobre a inspiração para criar algumas das casas das personagens do livro;

Saudações em três partes: A história de introdução dos três volumes da obra;

Vampiras: Yvian não é Carmilla: Detalhes sobre as personagens fantásticas do livro, vampiras, sereias, deusas, fadas;

Mais mistérios

A Máquina de Mistérios

CATEGORIAS, QUE EU CHAMO DE ÚNICA PAISAGEM

Ailuros: Palavra grega para gato, há 3 deles na obra, Miautralha, Nervoso e Cotonete, os principais;

Cunnilingues: LGBT – A palavra Cunnilingues refere-se prática de sexo oral que consiste na estimulação da genitália feminina com a língua e boca, principalmente o clitóris e a entrada da vagina. Em Portugal, esta prática é vulgarmente conhecida como minete;

Espaço Carmen Miranda: Música – Augusto, personagem principal do livro Passa lá em casa, tem em Carmen Miranda sua maior diva;

— Augusto de sapato novo: MPB – Vários cantores e compositores brasileiros, principalmente da primeira metade do século XX, são mencionados no livro Passa lá em casa. Augusto de sapato novo é em referencia ao chorinho “André de sapato novo”, de André Victor Corrêa (1888-1948);

— Sabra Cadabra: Heavy Metal – A música Sabra Cadabra do Black Sabbath é subtítulo de um trecho da história;
— Subculture: Rock – Há trechos da música Subculture do New Order no livro Passa lá em casa. Quando Lucrezia conhece Blushing Tusha numa festa na casa de Baby Love;

Ex Libris: Ex libris é uma expressão latina que significa, literalmente, “dos livros”. É empregada para determinar a propriedade de um livro. Portanto, ex libris é um complemento circunstancial de origem (ex + caso ablativo) que indica que tal livro é “propriedade de” ou “da biblioteca de”;

Fêmur de Nefilim: Bio e ciências naturais e especulativas – Uma das personagens acha um fêmur de nefilim em uma praia em Santa Monica, Califórnia;

Fogus Factus ou Bolha de Segurança: Fogo-fátuo (do latim i̅gnis fatuus) está indiretamente relacionado com o Dilúvio um dos temas do livro Passa lá em casa. Conta a lenda que o Boitatá foi criado na época do cataclismo para devorar os cadáveres. Lembrando que esse fenômeno físico é a inflamação espontânea do gás metano, resultante da decomposição de seres vivos. Bolha de Segurança é o subtítulo de primeiro volume de Passa lá em casa. Nessa categoria falaremos do Brasil e Mundo sem pretensão;

Gardênia, a essência da Flor: Alguns trabalhos e opiniões da família Farias – Flor de Gardênia, é o nome da empresa de Augusto, personagem principal do livro Passa lá em casa. Além de ser nome de uma música interpretada por Bienvenido Granda;

— A Música Segundo Henrique: Henrique toca violão desde os 8 anos de idade em teatros e pequenos espaços em Suzano. Seu repertório vai de chorinho, passando pela música clássica e rock clássico

— Fernanda Machado de Farias: Trabalhos feitos pela mesma na área de design de interior e arquitetura;

— K. Lúthien Farias: Trabalhos desenvolvidos por K. Lúthien Farias nas Artes visuais e no universo dos quadrinhos;

— Malu Farias: Textos do cotidiano;

Memórias Póstumas de Cosma e Damiana: Textos remanescentes do livro “Passa lá em casa”, textos escritos após, outros textos… Cosma e Damiana são duas drag queens interpretadas por Ananias ator dublador e Adamastor, advogado, respectivamente. Quando os gêmeos aceitam a proposta de Augusto para interpretar Maria do Carmo e Carmen Miranda no teatro, acabam aposentando as personagens da noite paulista;

KiSuco: Coisas da infância – desenhos animados, H.Q, gibis, mangás, animes;

Lactofantasy: Mulheres peladas… Também as vestidas… O universo feminino… – Esse é o título do último filme de Levy narrado na estória. Filme em homenagem aos “puffy nipples” ou “mamilos inchados”, onde Faye Reagan é atriz principal;

Pilares da Criação: Arquitetura, arte, cor e cultura – Pilares da criação é um aglomerado de poeira e gás na Nebulosa de

Águia situado à aproximadamente 7,000 anos luz da terra. Fotos recentes, sugere que a supernova explodiu à cerca de 6.000 anos e devastou as três colunas. Considerando a distância de 7,000 anos luz da terra, dentro de 1,000 anos a explosão será visível aqui na terra. Há uma pequena referencia no livro Passa lá em casa;

— De quando os arquitetos desenhavam: Comentário a respeito de arquitetura;

Bem vindo!

Bem vindo!

— O menos é mais, CHATO! Artes Ornamentais e outras formas de expressão artísticas;
— Telefones pretos: Teoria da cor – Pois se eles (os telefones) fossem coloridos, talvez soubéssemos mais sobre Greta Garbo. Afinal um de seus melhores amigos, Sam Green costuma gravar as longas conversas com ela pelo telefone;

Sereias, Vanuccia não é Ariel: Audiovisual – Um trocadilho entre o filme da Disney “A pequena sereia”, e Vanuccia, a sereia do livro Passa lá em casa;

Tia Evanilde: Literatura – Lembro que quando tinha uns 9 ou 10 anos, minha tia Evanilde me deu vários textos sobre astronomia para fazer resumo e quem sabe criar gosto pela leitura, pois deu certo;

Vai ser pra mim: Autor convidado – Trecho da música Rosinha de Heber de Bóscoli e Mário Martins (com Ciro Monteiro, Orlando Silva e Sílvio Caldas, 1941). Quando Augusto vai comer tapioca com suas três tias, no livro Passa lá em casa, eles estão ouvindo essa música.