Nota

Luís Filipe Goulart de Andrade (Rio de Janeiro, 6 de abril de 1933  — São Paulo, 23 de agosto de 2016)

Goulart de Andrade e a TV 80: anarquia no ar

Morre Goulart de Andrade; relembre os 61 anos de carreira do ícone do jornalismo

Categoria: Fogus Factus Sobre: Assuntos relacionados ao Brasil e Mundo

Categoria: Fogus Factus
Sobre: Assuntos relacionados ao Brasil e Mundo

Goulart de Andrade

Nota

Morreu nessa terça-feira, 16 de agosto Elke Maravilha.

Elke Maravilha, nome artístico de Elke Georgievna Grunnupp (Leningrado, 22 de fevereiro de 1945 — Rio de Janeiro, 16 de agosto de 2016), foi uma manequim, modelo, jurada, apresentadora e atriz nascida na Rússia com cidadania alemã radicada no Brasil - Foto de David Zingg

Elke Maravilha, nome artístico de Elke Georgievna Grunnupp (Leningrado, 22 de fevereiro de 1945 — Rio de Janeiro, 16 de agosto de 2016), foi uma manequim, modelo, jurada, apresentadora e atriz nascida na Rússia com cidadania alemã radicada no Brasil – Foto de David Zingg

Categoria: Lactofantasy Sobre: Mulheres peladas e vestidas Fotos em destaque: Elke Maravilha nos anos 60

Categoria: Lactofantasy
Sobre: Mulheres peladas e vestidas
Fotos em destaque: Elke Maravilha nos anos 60

Muitas vidas cabem em Elke Maravilha

Elke Maravilha foi muito mais do que a sua cabecinha imagina…

10 Curiosidades sobre Elke Maravilha que você nem imaginava

Mais sobre Elke Maravilha

Elke Maravilha

Nota
Umberto Eco caminha diante da estante de livros em sua casa. / ROBERTO MAGLIOZZI

Umberto Eco caminha diante da estante de livros em sua casa. / ROBERTO MAGLIOZZI

Nascimento: 5 de janeiro de 1932, Alexandria, Itália

Falecimento: 19 de fevereiro de 2016, Milão, Itália

Depois de tudo que disse de mau sobre o jornalismo, a existência da imprensa ainda é uma garantia de democracia, de liberdade, porque especialmente a pluralidade dos jornais exerce uma função de controle. Mas, para não morrer, o jornal tem que saber mudar e se adaptar. Não pode se limitar apenas a falar do mundo, uma vez que disso a televisão já fala. Já disse: tem que opinar muito mais sobre o mundo virtual. Um jornal que soubesse analisar e criticar o que aparece na Internet hoje teria uma função, e até um rapaz ou uma moça jovem leriam para entender se o que encontraram online é verdadeiro ou falso. Por outro lado, acho que o jornal ainda funciona como se a Internet não existisse. Se olhar o jornal de hoje, no máximo encontrará uma ou duas notícias que falam da Internet. É como se as rotativas nunca se ocupassem de sua maior adversária! As redes sociais deram voz a uma legião de imbecis.

Categoria: Tia Evanilde Sobre: Literatura e livros Fonte: El País Brasil

Categoria: Tia Evanilde
Sobre: Literatura e livros
Fonte: El País Brasil

“As redes sociais deram voz a uma legião de imbecis.” – Umberto Eco

Nota

Odete dedicou grande parte de sua vida ao teatro e ao cinema. Nos palcos, atuou em peças como “Liberdade, Liberdade”, de Millôr Fernandes e Flávio Rangel, e “Se Correr o Bicho Pega, se Ficar o Bicho Come”, de Ferreira Gullar e Vianinha.
Seu primeiro filme foi “O Gato de Madame”, com Mazzaropi. Seguiu a carreira no cinema se arriscando em diversos gêneros e atuações: entre as chanchadas “Absolutamente Certo” (1957) e “Dona Xepa” (1959), o argentino “Sábado a la Noche” (1960), o drama de Nelson Rodrigues “Bonitinha, mas Ordinária” (1963), o Cinema Novo de “Copacabana me Engana” (1968), o experimental “O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro” (1969), de Gláuber Rocha, o musical “Quando o Carnaval Chegar” (1972), de Cacá Diegues, a comédia “Vai Trabalhar, Vagabundo!” (1973), de Hugo Carvana, e o erótico “O Princípio do Prazer” (1979) – seu último trabalho antes de abandonar a carreira.

Matéria completa aqui.

Odete Lara (São Paulo, 17 de abril de 1929 – Rio de Janeiro, 4 de fevereiro de 2015).

Categoria: Sereias, Vanuccia não é Ariel Sobre: Cinema, vídeo e audiovisual Imagem em destaque: Odete Lara posando na Cadeira Bowl, projetada por Lina Bo Bardi (1953)

Categoria: Sereias, Vanuccia não é Ariel
Sobre: Cinema, vídeo e audiovisual
Imagem em destaque: Odete Lara posando na Cadeira Bowl, projetada por Lina Bo Bardi (1953)

Ela não está acostumada…