Passa lá em casa na Amazon

Em outubro de 2009 depois da tentativa fracassada em ler um romance vampiresco fui desafiada pela minha irmã mais nova, K. Luthién Farias a escrever um livro melhor. Foi quando juntei algumas notas, observações e desenhos que vinha acumulando nos 2 anos anteriores. Era minha ideia em fazer um livro sobre um grande amigo que infelizmente desenvolvera linfoma. Fazíamos faculdade de arquitetura na mesma sala e quis homenageá-lo com um livro. Alexandre Augusto Martins foi uma das almas mais bondosas, generosas, de caráter excepcional, justo, alegre, inteligente que conheci ao longo de minha vida. E olha que o que eu mais conheci na vida foram pessoas com tais características. Tempos antes tinha lido uma matéria sobre morar em um condomínio de luxo sobre um shopping e ri muito. A segurança era coisa para o FBI, as lojas chiquérrimas, as madames bizarras, os homens de negócios caricatos, as crianças enjoadas e os cães parecendo tapete escovado. Ora, no ano de 2009 também era aniversário de nascimento de Carmen Miranda uma de minhas cantoras favoritas. Naquele ano se estivesse viva seria 100 anos.

No ano anterior estava em projeto 4 e tínhamos que desenvolver uma casa para uma família que deveríamos criar. Nasce assim a seguinte família:

Biografia da cantora de radio e seus filhos drags queen Cosma e Damiana

Elvira de Oliveira Prudêncio: é fumante, ex-cantora de rádio e pesquisadora na área de música para uma grande gravadora, foi quem construiu a casa e tem por empregada Aurélia;

Adamastor de Oliveira Prudêncio: irmão gêmeo é advogado e é a drag-queen Damiana;

Ananias de Oliveira Prudêncio: irmão gêmeo dubla desenhos animados e drag-queen Cosma; 

Elizete Prudêncio: irmã de Elizete, dançarina de ventre, morou um tempo em Marrocos. Quando sua irmã Elvira, os gêmeos e seu irmão Élcio foram visita-la, resolveu voltar para o Brasil com eles. Trabalha com a irmã na pesquisa. É budista;

Élcio Prudêncio: é fumante, irmão mais velho das duas e paraplégico por poliomielite. Professor aposentado de filosofia pela USP. Costumava praticar corrida com cadeira de roda junto a Cosma. Foram proibidos de frequentar a estação Barra Funda do metro por atropelarem um usuário. No caso a arquiteta Jordana;

Nasce assim a personagem Augusto Geronimo Martins. Lembro que Geronimo veio depois de assistir o TFG de Leandro Gomes, ele tem Geronimo no sobrenome. Perguntei ao Alexandre se ele gostava da ideia. Ele aprovou.

Para homenagear Carmen Miranda e um pouco da música brasileira, Augusto decide fazer uma peça onde seus amigos de infância, Ananias e Adamastor irão representar a Cantora.

Em 2013 finalmente acabei. Depois de muita leitura, pesquisa, filmes, música, desenhos animados, gibis, HQs, o livro ficou pronto. Inúmeros personagens desfilam por mais de 900 páginas. É um livro de aventura, entretenimento, crítica, arquitetura, música, fantasia. Nesse ano em março fiz esse blog para ser suporte para quando o livro fosse publicado.

Minha irmã leu. Perguntei a ela se meu livro de vampiros ficou melhor.

Para acessar a página do livro na Amazon clique aqui.

Resumo:

Após comprar um apartamento em um condomínio de alto luxo, construído sobre um shopping, Augusto não satisfeito contrata uma arquiteta. Pensando que o estilo do edifício é neoclássico, pede a ela que a decoração siga a mesma linguagem. Porém suas preocupações logo são substituídas por uma peça e um imprevisto.

A peça de teatro é em homenagem a sua musa, Carmen Miranda. Para tal chama seus amigos de infância, Levy, Adamastor e Ananias. Levy é dono de uma produtora de filmes pornô. Ananias e Adamastor são ator-dublador desenhos animados e advogado, respectivamente. Ambos são as drags queens Cosma e Damiana, na noite paulista e interpretaram Carmen Miranda e Maria do Carmo.

O imprevisto Augusto terá que lidar de forma amarga, junto as mulheres que ama e com um pouco de humor.

Para os filhos, Abigail, design de joias e Nicolas, empresário dono de uma funerária de luxo, Bartolomeu tem um terrível segredo. Durante muito tempo ele os observava de perto e chegava à conclusão de que estavam fora de perigo. Dá a cada um uma unidade no luxuosos condomínio, que pela segurança, considera um lugar ideal.

Leandro César considera que o lugar ideal é um condomínio sobre o mar. Em outras palavras um navio. Com apartamentos, restaurantes, teatro, casas de show, as surpresas em sua maioria são boas e caras. Na maioria das vezes…

Infelizmente para Lucrezia o passado a persegue. Médica na Santa Casa, ela tem em seu apartamento todo o inferno que a cerca há muito tempo. Buscando a paz sem jamais encontra-la, persegue de maneira instintiva uma das moradoras. Talvez nela encontre o que procura.

Frente ao Rio Pinheiros, da cobertura Zípora vê um falso estilo neoclássico de um edifício que se ergue sobre um shopping center. Ela traz trancada em um baú o passado, uma mulher que no curso natural da vida deveria estar morta a mais de 3 mil anos. Ela sorri para Zípora, ela é sua amante.

Uma equipe de cientistas busca pelo mundo provas e uma ligação consistente da existência de um dilúvio global. Seja no Mar Negro onde no passado fora um grande lago de água doce, em Gobero no Níger, estudando duas etnias distintas. Analisando o Bólido de Tollmann e a Corrente do Golfo Pérsico.

Lembrando os clássicos de vampiro como A morte amorosa de Théophile Gautier, Drácula de Bram Stoker e Carmilla de Joseph Sheridan Le Fanu. Não deixa de também de lançar um olhar cínico sobre a literatura de vampiros, a elite de um modo geral, a falta de memória do povo brasileiro e a descrição de um país claudicante, quase morto.

Categoria: Memórias póstumas de Cosma e Damiana Sobre: Textos que escrevi, escrevo e outros textos Imagem em destaque: Alexandre Augusto Martins

Categoria: Memórias póstumas de Cosma e Damiana
Sobre: Textos que escrevi, escrevo e outros textos
Imagem em destaque: Alexandre Augusto Martins

Anúncios

Cunha se deu bem. E o Brasil, otário, se deu mal

Texto de André Forastieri, acesse na página do Autor aqui.

cunhadoido23 11 Cunha se deu bem. E o Brasil, otário, se deu mal
Cunha foi preso. É ladrão de galinha. Quis voar alto demais. Caiu rápido. Sua trajetória pode servir para a gente melhorar nosso país em duas coisas muito importantes. É duvidoso que isso aconteça.
A acusação mais clara e letal contra Cunha é ganhar propina nos esquemas da Petrobras e mandar para o exterior, para a Suíça. Quanto? Ninguém sabe. Falam de R$ 52 milhões na Suíça. Para quem chegou a presidente da Câmara, é dinheiro de pinga. Deve ter muito mais dinheiro em outros lugares.
Até porque só amador ainda tem dinheiro na Suíça. Os super ricos do mundo sabem faz tempo que é melhor colocar seu dinheiro desviado em outros paraísos fiscais. Segundo a organização não-governamental Global Financial Integrity (GFI), entre 2004 e 2013 os milionários brasileiros mandaram para o exterior ilegalmente uma média de U$ 22,6 bilhões por ano. Em português claro: setecentos e setenta bilhões de reais. Todo esse dinheiro foi para paraísos fiscais. Por quê? Porque era dinheiro ganho limpo no Brasil? Não, porque era dinheiro sujo. Os ricos brasileiros pagam pouquíssimo imposto. As grandes empresas brasileiras pagam pouquíssimo imposto. No Brasil o Caixa 2 é sempre a primeira opção, nunca a segunda.
A Suíça é um destino cada vez menos popular para recursos do crime, da corrupção, do narcotráfico, ou simplesmente dinheiro de Caixa 2, escamoteado por ricaços. Quem diz é o próprio Banco Central da Suíça. Segundo eles, no ano 2000, os correntistas brasileiras chegaram a ter US 6,2 bilhões depositados em bancos suíços. Em 2015, tinham “só” US 4,3 bilhões. Continua sendo muito dinheiro, mas é uma queda enorme. A razão é porque a Suíça vem sendo pressionada para aumentar a transparência financeira. Outros países seguem sem pressão nenhuma e viraram os destinos prioritários do dinheiro sujo do planeta.
A prisão de Cunha poderia ser um bom começo para o Brasil entrar a fundo na questão dessa dinheirama nossa que está no exterior. Afinal, é dinheiro que foi mandado ilegalmente para o exterior, sem pagar imposto, e deveria estar aqui sendo útil para a população. Esse dinheiro que o GFI identificou, R$ 770 bilhões, para pagar 28 anos de Bolsa Família, que em 2016 é um investimento de R$ 27 bilhões por ano. Ou, alternativamente, fazer uma revolução na nossa saúde, educação, segurança. Mexer com esse vespeiro é coisa que está bem longe da pauta da Justiça. Da Receita. E da Lava-Jato. Seria arrumar uma treta com a elite da elite, os 0,1% que de fato dão as cartas no Brasil.
A segunda maneira de fazer da prisão de Cunha algo importante é ser extremamente, brutalmente rigoroso com ele com os que o cercam. Apertar, apertar, apertar. Para forçar ele a abrir o bico sobre os grandes esquemas de corrupção, de todos os partidos. E para forçar ele a nos contar o que sabe sobre a movimentação que derrubou Dilma Rousseff. Sem a participação de Cunha, Temer jamais teria ascendido à presidência. É evidente que ele sabe de todas as negociações, todas as movimentações, todos os acordos que levaram ao impeachment. Mas se Cunha conta 10% do que sabe sobre a corrupção, ou 10% dos bastidores do impeachment, não fica pedra sobre pedra.
Essa seria a hora dos brasileiros, tanto os que foram a favor como os que foram contra o impeachment, se unirem com um objetivo maior. Que é fazer a prisão de Cunha representar uma grande mudança no nosso país. Sonhar é grátis… Infelizmente, e o brasileiro comum na rua sabe disso, a real é que Cunha tem 99% de chance de se dar bem.
O mais provável é que Eduardo Cunha fale pouco, entregue gente sem importância, pague algum dinheiro, pegue alguma cadeia. E só. Vamos continuar pagando de otários dos poderosos. Sem impacto no dinheiro sujo que os super ricos desviam para o exterior, sem impacto na corrupção institucionalizada, sem impacto no sistema político do Brasil, a prisão de Cunha será só um show de mídia, com cheiro de acordão. Uma história cheia

Categoria: Vai ser pra mim Sobre: Textos de outros autores ou autor convidado Textos de André Forastieri

Categoria: Vai ser pra mim
Sobre: Textos de outros autores ou autor convidado
Textos de André Forastieri

de som e fúria, significando nada.

O golpe contra Dilma Rousseff – Página infeliz da nossa história

O afastamento da presidenta é sem dúvida o capítulo mais vergonhoso da história política brasileira

Apoiadores de Dilma Rousseff, nesta quarta em São Paulo. NELSON ALMEIDA AFP

Apoiadores de Dilma Rousseff, nesta quarta em São Paulo. NELSON ALMEIDA AFP

O afastamento definitivo de Dilma Rousseff da Presidência da República é sem dúvida o capítulo mais vergonhoso da história política brasileira. Acusada de praticar uma manobra contábil, as chamadas “pedaladas fiscais”, contra ela não foram levantadas quaisquer suspeitas de enriquecimento ilícito ou aproveitamento do cargo em benefício próprio, ainda que sua vida, privada e pública, tenha sido vasculhada com lupa por seus adversários. Se ela cometeu crime de responsabilidade, também o fizeram e deveriam perder o cargo 16 dos 27 atuais governadores, que usaram o mesmo artifício para fechar as contas em seus estados.

Mas, evidentemente, a presidente Dilma Rousseff não foi levada a julgamento por isso. As manifestações de rua contra seu governo, orquestradas por defensores dos mais diversos interesses, muitos deles espúrios, levantavam bandeiras anti-corrupção porém alimentavam-se de ressentimento. Parte da população, acostumada historicamente a usufruir dos mais amplos privilégios, nunca aceitou dividir espaço com a camada mais pobre, destinada, em sua invisibilidade, a manter-se apenas como uma espécie de reserva técnica de mão de obra desqualificada. As poucas, mas importantes, mudanças nesse quadro, patrocinadas pelos governos petistas, fermentaram uma reação de ódio e intolerância.

Assim, com o claro objetivo de arrancar a qualquer custo o poder das mãos da presidente Dilma Rousseff, as oposições, lideradas nas sombras pelo vice-presidente Michel Temer, passaram a articular demonstrações de força. Por trás dos protestos “espontâneos” contra o governo havia entidades como o Movimento Brasil Livre (MBL), financiado pelo DEM, PSDB, SD e PMDB; Vem pra Rua, criado em 2014 por um grupo de empresários para apoiar a candidatura do senador tucano Aécio Neves à Presidência da República; e Revoltados On-Line, gerenciado pelo empresário Marcello Reis, que não esconde sua simpatia pela ideia de intervenção militar e que possui ligações com o deputado fascista Jair Bolsonaro (PSC-RJ), pré-candidato à Presidência da República.

O passo seguinte foi dado pelo então presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), atualmente afastado por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), alçada na qual é réu por crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Cunha tinha interesse em negociar a manutenção de seu mandato, em perigo desde a instauração, no dia 3 de dezembro, de um processo por quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética da Casa. Indignado com a retirada de apoio do PT à sua causa, Cunha deu andamento ao pedido de admissibilidade do impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. No dia 17 de abril, o plenário da Câmara, que entre seus 513 membros conta com 53 réus na Suprema Corte, enquanto outros 148 parlamentares respondem a inúmeros crimes em diversas instâncias, antecipou o destino inglório da nação.

Baseado em um relatório de Antonio Anastasia (PSDB-MG), burocrata tornado político pelas mãos do candidato derrotado em 2014, Aécio Neves, o Senado cassou o mandato da presidente Dilma Rousseff. Do total de parlamentares que a julgaram, 60% são suspeitos ou acusados de crimes que vão desde falsidade ideológica até abuso de poder econômico. Um terço da Casa – 23 parlamentares – responde a inquérito em ação penal no STF, entre eles nomes bastante conhecidos como Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), Fernando Collor (PTB-AL), Jader Barbalho (PMDB-PA), Lobão Filho (PMDB-MA), Renan Calheiros (PMDB-AL) e Romero Jucá (PMDB-RR).

Com uma coragem e altivez poucas vezes vistas na política brasileira, a presidente Dilma Rousseff enfrentou 14 horas de interrogatório nas dependências do Senado. Inutilmente, ela sabia, porque o resultado daquela farsa já havia sido decidido muito antes, nos bastidores, envolvendo as mais inconfessáveis negociações. Sentada em frente ao presidente do STF, Ricardo Lewandowski, Dilma não enfrentava somente o rancor da elite contrariada, mas também todos os preconceitos existentes contra as mulheres, principalmente aquelas que não aceitam submeter-se ao poder patriarcal. Blindada por uma força extraordinária, Dilma ousava afirmar que, como ser humano passível de equívocos, errou algumas vezes durante o exercício de seu mandato. Assentada em utopias, Dilma ousava afirmar que continua acreditando na luta por um Brasil mais justo. Somos medíocres, não atrevemos sonhar; somos hipócritas, não admitimos assumir nossas falhas. Cassar arbitrariamente o mandato da presidente Dilma Rousseff significou um ato de cinismo covarde contra o desejo manifestado nas urnas por 54.501.118 brasileiros. A isso se chama golpe de estado.

O jornalismo barnabé e a derrubada de Dilma

Na ruptura institucional de agora, o papel da mídia foi mais relevante que o de Eduardo Cunha

por Mario Vitor Santos
Porto Alegre - Milhares de pessoas tomaram as ruas em protesto contra o impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff ( Daniel Isaia/Agência Brasil)

Porto Alegre – Milhares de pessoas tomaram as ruas em protesto contra o impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff ( Daniel Isaia/Agência Brasil)

Este golpe não aconteceria sem a liderança da mídia. Ela foi a protagonista de primeira hora. Desde cedo, os jornais se incomodavam com o que consideravam “fraqueza” da oposição aos governos petistas e se dispuseram assim a substituí-la.

Para a ruptura institucional de agora, a mídia foi mais importante do que Eduardo Cunha. Antes de Cunha reunir as condições para desatar o impeachment, a mídia já tinha cerrado fileiras, engatado o revezamento de esforços complementares.

Foi a mídia que, afinal, fustigou o governo na sucessão das manifestações de 2013, orientou seus desdobramentos cada vez mais contrários às motivações iniciais, amplificou e convocou a reação à Copa, encorpou a sublevação contra o resultado das urnas de 2014 e sepultou o período de trégua pós-eleitoral.

Para isso, foi preciso relativizar preceitos capitais do jornalismo, como o de dar voz a todos os lados e, portanto, o da presunção de inocência. Foi nesse ambiente  que necessárias apurações anticorrupção, um tema jornalístico, descambassem para a derrubada do governo eleito, com base em pretextos.

De duas uma, ou a mídia estrutura o golpe ou faz jornalismo, cuja essência, como se sabe, é a reportagem. Faz jornalismo quem tem repórteres para apurar notícias. O trabalho dos repórteres nutre-se da obtenção de informações por meio de investigação independente, desligada de interesses de poderes oficiais e privados.

O trabalho exige a checagem prévia, autônoma e ponderada de informações por meio do confronto com outras informações, chocando e registrando versões muitas vezes contraditórias. Demanda o veto de informações suspeitas ou apressadas, extirpando especialmente as que podem estar contaminadas por viés político.

É por isso que o bom jornalismo é o jornalismo da dúvida. O bom jornalismo se vale de fontes plurais, segue diferentes linhas de investigação, tenta construir um retrato dos acontecimentos e suspeita sempre do que os poderosos, de todos os lados,  pretendem trazer ou ocultar do conhecimento geral. O bom jornalismo age com contenção e toma cuidados.

Não foi isso o que aconteceu no Brasil, como registraram veículos da mídia internacional. Os “furos”, informações exclusivas e inéditas, que são a razão de ser do jornalismo investigativo, não existiram. Os meios de comunicação foram veículos de “vazamentos”, ou seja, de informações obtidas, recortadas e liberadas por três fontes principais, todas oficiais: o Ministério Público Federal, a Justiça Federal e a Polícia Federal.

Em estratégia assumidamente calculada de uso da mídia, eles comandaram o noticiário. O ritmo da cobertura foi ditado pelas autoridades que também regulavam a dosagem, os personagens em foco, o sentido e o contexto.

Para os jornalistas, o grosso do trabalho chegava pronto. Não havia esforço maior de checagem. Repórteres e editores procuravam mostrar-se confiáveis aos fornecedores, que realizavam verdadeiros leilões de vazamentos entre os veículos. Ouvir o outro lado passou a ser um preceito muito subversivo no jornalismo atual. O grande jornalismo brasileiro rebaixou-se. Não é à toa que inexistem profissionais  homenageados na cobertura dessa operação.

Contribuiu ainda para esse desfecho um outro poder tão poderoso como desconhecido do grande público: as empresas de estratégias de comunicação consorciadas ou não com as associações de classe. Ambas constituem em seu conjunto máquinas de influenciar cada vez mais a agenda dos veículos, impor seus temas, agir sobre a temperatura das redes sociais, ditar os humores do país. A busca pela verdade teve diante de si obstáculos inéditos. Fracassou, e o país fica então com as consequências de um jornalismo transfigurado em seu oposto: mera ideologia.

Mídia brasileira construiu narrativa novelizada do impeachment
O ato final de uma pantomima democrática
A nova primeira-dama Marcela Temer gasta com prazer o dinheiro dos outros, segundo jornal suíço
Quem insufla o ódio nos protestos?
As vaias ao presidente e a operação Passa-pano
Enfim Lula: Para que provas quando o MPF pode apresentar um powerpoint?
A cassação de Cunha e o apartidarismo de fachada do MBL
Casos de corrupção envolvendo Michel Temer caem no ostracismo, e eles são muitos
O perigo que se esconde por trás da PEC 241
E se os mais ricos ajudassem a pagar o rombo nas contas públicas?

Categoria: Fogus Factus Sobre: Assuntos relacionados ao Brasil e Mundo Fonte: El País e Carta Capital Mario Vitor Santos é jornalista, Knight Fellow da Universidade Stanford (EUA). Foi ombudsman e secretário de Redação da Folha.

Categoria: Fogus Factus
Sobre: Assuntos relacionados ao Brasil e Mundo
Fonte: El País e Carta Capital
Mario Vitor Santos é jornalista, Knight Fellow da Universidade Stanford (EUA). Foi ombudsman e secretário de Redação da Folha.

Citação
511

Woody Allen e Scarlett Johansson por J.R. Duran

“Não é que eu tenha medo da morte, mas simplesmente não quero estar aqui quando isso acontecer”

“A melhor coisa que podem lhe dizer na vida não é ‘te amo’, mas sim ‘é benigno’”

“O sexo sem amor é uma experiência vazia. Mas, como experiência vazia, é uma das melhores”

Woody_Allen (1)“Odeio a realidade, mas é o único lugar onde se pode comer um bom filé”

“Tenho interesse pelo futuro, pois é o lugar onde passarei o resto da minha vida”

“Em Beverly Hills o lixo não é recolhido, mas transformado em televisão”

“A vocação do político profissional é fazer de cada solução um problema”

High Quality Wallpaper

“Prefiro a ciência à religião. Se tiver de escolher entre Deus e um ar-condicionado, fico com o ar”

“O medo é o meu companheiro mais fiel. Nunca me enganou para ficar com outra pessoa”

“Sei que não mereço o [prêmio] Príncipe das Astúrias, mas também não mereço o diabetes de que sofro”

“Não acredito que haja vida no além, mas, por via das dúvidas, troquei a roupa de baixo”

“Se os seres humanos tivessem dois cérebros, com certeza faríamos besteiras em dobro”

“A vantagem de ser inteligente é que se pode fingir ser um idiota, enquanto o contrário é impossível”

“Quando um médico erra, a melhor coisa é enterrar o assunto”

“De onde viemos? Para onde vamos? Há alguma tarifa especial para grupos?”

Categoria: Sereias, Vanuccia não é Ariel Sobre: Cinema, vídeo e audiovisual

Categoria: Sereias, Vanuccia não é Ariel
Sobre: Cinema, vídeo e audiovisual

Woody Allen

Um dos grandes problemas brasileiros: Interpretação de Texto

A Rio 2016 é racista

rafa ouro A Rio 2016 é racista
Racismo não é que os negros brasileiros têm menos saneamento. Menos casa própria. Menos acesso à saúde, hospital, creche. Nem que são menos alfabetizados, que vivem menos, que vivem pior que os brancos. Racismo não é que os negros são minoria nas universidades, nas redações, no shopping, nos restaurantes. Ou minoria nas novelas, nos telejornais, no público que frequenta os programas de auditório.
Não estão nos palcos dos teatros, são poucos nas paradas de sucesso. Não apresentam talk shows. Há pouquíssimos negros nas gerências e direções das empresas. E no comando da Polícia Militar, Civil, Federal. Não há negros entre os bilionários brasileiros. E não se vê negros nos ministérios, nas secretarias, autarquias, ou nos altos cargos do judiciário.
Mas nada disso é racismo. Não gera indignação. Não é tema pra campanha de candidato nenhum. Não repercute nas redes sociais. Isso é normal. É o dia a dia. Não, racismo é quando eu escrevo a seguinte frase: “Medalha de ouro para uma negra favelada ajuda as negras faveladas em exatamente nada.”
Por esse comentário no Twitter, inspirado pela vitória de Rafaela Silva no judô, fui chamado de racista por várias pessoas. Outras também me “xingaram” de gay, homem, branco etc. Muito comum a crítica de que não posso escrever sobre mulheres negras porque não sou mulher nem negra, o que é além de surreal.
Mas nem todo mundo entendeu assim.
Ana Luisa, leitora atenta, escreveu no Facebook sobre o assunto: “aquele post de racista não tem nada. Ao contrário. É uma crítica a um poder público omisso, que quase nada faz para quem é pobre e negro, e a uma sociedade preconceituosa e hipócrita que relega aos próprios negros o conselho de seguir o exemplo de esforço pessoal de uma moça negra que é destaque hoje. Mas é exceção entre uma massa de negras que não tiveram sua condição melhorada por ninguém. E nem ganharam o respeito da classe média anos atrás, lá com aquela medalha de ouro da judoca Edinanci (cujo nome, aliás, caiu no ostracismo). Incrível o tanto de gente que não entendeu, ou fingiu que não entendeu, o seu post.”
Toda essa gente que não entendeu, ou fingiu que não entendeu, não pesa tanto pra mim quanto uma única pessoa ter compreendido tão bem minha intenção quanto Ana Luisa.
Costumo dizer que o Brasil é um problema de interpretação de texto. Também costumo dizer que é inútil tentar entender os outros, e mais ainda tentar mudar os outros. Não dá para mudar a opinião de quem concluiu por esta frase que sou racista. Nem vou tentar. Então sou racista. E não sou racista. Entendeu? Assim é o novo mundo da comunicação.
Esse problema de deficiência de compreensão (ou mesmo de indignação simplista e automática) se tornou uma patologia. Dois exemplos pessoais. Estou respondendo a um processo que pede uma indenização financeira bem grande, por um texto que publiquei aqui no blog. Perdi em primeira instância, estamos recorrendo. A decisão do juiz é baseada no que dei a entender, não no que efetivamente escrevi. É um problema da legislação brasileira, que é dúbia, porque interpretação é sempre subjetiva.
Outro exemplo, mais engraçado, de ontem. Fiz também no Twitter uma piada infantil, daquelas tipo revista Recreio: “O que esse Phelps faz de tão importante? Nada.” Pois não é que tem gente me xingando, achando que é uma crítica ao nadador americano? Quando até uma bobagem dessas ofende, está claro que qualquer coisa (mas qualquer coisa mesmo) pode gerar repercussão negativa. Como qualquer coisa pode querer dizer o seu contrário, decidi por um título bem explícito e escandaloso para este texto: “A Rio 2016 é racista”.
Sutileza tem hora. Veja: o caminho natural para quem escreve profissionalmente, neste ambiente, é a autocensura e a autopromoção. Ou, caminho contrário e desafiador, apostar na inteligência de poucos. Ser mais mais ambíguo, denso, ambicioso. E muito, muito seletivo. É uma alternativa que me seduz – para daqui a pouco.
Para hoje, sobra ser tão agressivo quanto Rafaela Silva. De fato a medalha de ouro para ela não ajuda em nada as negras faveladas, ou, se você preferir, as afrodescendentes moradoras de comunidades. O que mudará a vida dos milhões de Rafaelas que não chegaram e nunca chegarão a nenhum pódio é dinheiro.
Investir R$ 38 bilhões dos nossos impostos nos Jogos Olímpicos, e não em melhorar a vida dos brasileiros mais pobres – a maioria negros, a maioria favelados – é uma das maiores injustiças já cometidas nesse país. E isso sim é que é racismo.

Categoria: Vai ser pra mim Sobre: Textos de outros autores ou autor convidado Textos de André Forastieri Imagem em destaque: Tingatinga - Tingatinga (também escrito Tinga-tinga ou Tinga Tinga) é um estilo de pintura que se desenvolveu na segunda metade do século 20 na Oyster Bay área em Dar es Salaam ( Tanzânia ) e mais tarde se espalhou para mais África Oriental. Tingatinga pinturas são uma das formas mais amplamente representados de arte turística orientada na Tanzânia, Quénia e países vizinhos. O gênero é nomeado após seu fundador, pintor tanzaniano Edward Said Tingatinga.

Categoria: Vai ser pra mim
Sobre: Textos de outros autores ou autor convidado
Textos de André Forastieri
Imagem em destaque: Thomas Allen

Nota

Morreu nessa terça-feira, 16 de agosto Elke Maravilha.

Elke Maravilha, nome artístico de Elke Georgievna Grunnupp (Leningrado, 22 de fevereiro de 1945 — Rio de Janeiro, 16 de agosto de 2016), foi uma manequim, modelo, jurada, apresentadora e atriz nascida na Rússia com cidadania alemã radicada no Brasil - Foto de David Zingg

Elke Maravilha, nome artístico de Elke Georgievna Grunnupp (Leningrado, 22 de fevereiro de 1945 — Rio de Janeiro, 16 de agosto de 2016), foi uma manequim, modelo, jurada, apresentadora e atriz nascida na Rússia com cidadania alemã radicada no Brasil – Foto de David Zingg

Categoria: Lactofantasy Sobre: Mulheres peladas e vestidas Fotos em destaque: Elke Maravilha nos anos 60

Categoria: Lactofantasy
Sobre: Mulheres peladas e vestidas
Fotos em destaque: Elke Maravilha nos anos 60

Muitas vidas cabem em Elke Maravilha

Elke Maravilha foi muito mais do que a sua cabecinha imagina…

10 Curiosidades sobre Elke Maravilha que você nem imaginava

Mais sobre Elke Maravilha

Elke Maravilha

Dartagnan e os Três Mosqueteiros – Episódios de 1 – 5

Como já havia escrito, Dartagnan e os Três Mosqueteiros é um dos meus desenhos favoritos. Abaixo os cinco primeiros episódios dessa série incrível. Vamos nos divertir juntos?

Categoria: KiSuco Sobre: Gibis, HQ, Mangás, Desenhos animados, Programas infantis, Brinquedos Link: Dartacão e os três mosqueteiros

Categoria: KiSuco
Sobre: Gibis, HQ, Mangás, Desenhos animados, Programas infantis, Brinquedos
Link: Dartacão e os três mosqueteiros