Meu filme favorito

Charle Chaplin afirma que Welles veio à sua casa com a ideia de fazer uma “série de documentários, um para o célebre assassino francês, O Barba Azul Landru”, que ele achava que seria uma peça dramática maravilhosa para Chaplin. Chaplin estava inicialmente interessado, pois isso lhe daria uma oportunidade para um papel mais dramático, além de poupar-lhe o trabalho de ter que escrever o filme ele mesmo. No entanto, Chaplin afirma que Welles explicou que o roteiro ainda não havia sido escrito e que ele queria a ajuda de Chaplin para fazê-lo. Como resultado, Chaplin abandonou o projeto de Welles. Muito pouco tempo depois, surgiu a ideia de que a história de Landru seria uma boa comédia. Chaplin então telefonou para Welles e disse que, embora sua nova ideia não tivesse nada a ver com o documentário proposto por Welles ou com Landru, ele estava disposto a pagar cinco mil dólares a Welles para “limpar tudo”. Após as negociações, Welles aceitou os termos que receberia um crédito de “story by”. Chaplin afirmou mais tarde que ele não teria insistido em nenhum crédito de tela se soubesse que Welles acabaria tentando levar crédito pela idéia.

Categoria: Sereias, Vanuccia não é Ariel 
Sobre: Cinema, vídeo e audiovisual
Categoria: Sereias, Vanuccia não é Ariel 
Sobre: Cinema, vídeo e audiovisual
Anúncios

Passa lá em casa na Amazon

Em outubro de 2009 depois da tentativa fracassada em ler um romance vampiresco fui desafiada pela minha irmã mais nova, K. Luthién Farias a escrever um livro melhor. Foi quando juntei algumas notas, observações e desenhos que vinha acumulando nos 2 anos anteriores. Era minha ideia em fazer um livro sobre um grande amigo que infelizmente desenvolvera linfoma. Fazíamos faculdade de arquitetura na mesma sala e quis homenageá-lo com um livro. Alexandre Augusto Martins foi uma das almas mais bondosas, generosas, de caráter excepcional, justo, alegre, inteligente que conheci ao longo de minha vida. E olha que o que eu mais conheci na vida foram pessoas com tais características. Tempos antes tinha lido uma matéria sobre morar em um condomínio de luxo sobre um shopping e ri muito. A segurança era coisa para o FBI, as lojas chiquérrimas, as madames bizarras, os homens de negócios caricatos, as crianças enjoadas e os cães parecendo tapete escovado. Ora, no ano de 2009 também era aniversário de nascimento de Carmen Miranda uma de minhas cantoras favoritas. Naquele ano se estivesse viva seria 100 anos.

No ano anterior estava em projeto 4 e tínhamos que desenvolver uma casa para uma família que deveríamos criar. Nasce assim a seguinte família:

Biografia da cantora de radio e seus filhos drags queen Cosma e Damiana

Elvira de Oliveira Prudêncio: é fumante, ex-cantora de rádio e pesquisadora na área de música para uma grande gravadora, foi quem construiu a casa e tem por empregada Aurélia;

Adamastor de Oliveira Prudêncio: irmão gêmeo é advogado e é a drag-queen Damiana;

Ananias de Oliveira Prudêncio: irmão gêmeo dubla desenhos animados e drag-queen Cosma; 

Elizete Prudêncio: irmã de Elizete, dançarina de ventre, morou um tempo em Marrocos. Quando sua irmã Elvira, os gêmeos e seu irmão Élcio foram visita-la, resolveu voltar para o Brasil com eles. Trabalha com a irmã na pesquisa. É budista;

Élcio Prudêncio: é fumante, irmão mais velho das duas e paraplégico por poliomielite. Professor aposentado de filosofia pela USP. Costumava praticar corrida com cadeira de roda junto a Cosma. Foram proibidos de frequentar a estação Barra Funda do metro por atropelarem um usuário. No caso a arquiteta Jordana;

Nasce assim a personagem Augusto Geronimo Martins. Lembro que Geronimo veio depois de assistir o TFG de Leandro Gomes, ele tem Geronimo no sobrenome. Perguntei ao Alexandre se ele gostava da ideia. Ele aprovou.

Para homenagear Carmen Miranda e um pouco da música brasileira, Augusto decide fazer uma peça onde seus amigos de infância, Ananias e Adamastor irão representar a Cantora.

Em 2013 finalmente acabei. Depois de muita leitura, pesquisa, filmes, música, desenhos animados, gibis, HQs, o livro ficou pronto. Inúmeros personagens desfilam por mais de 900 páginas. É um livro de aventura, entretenimento, crítica, arquitetura, música, fantasia. Nesse ano em março fiz esse blog para ser suporte para quando o livro fosse publicado.

Minha irmã leu. Perguntei a ela se meu livro de vampiros ficou melhor.

Para acessar a página do livro na Amazon clique aqui.

Resumo:

Após comprar um apartamento em um condomínio de alto luxo, construído sobre um shopping, Augusto não satisfeito contrata uma arquiteta. Pensando que o estilo do edifício é neoclássico, pede a ela que a decoração siga a mesma linguagem. Porém suas preocupações logo são substituídas por uma peça e um imprevisto.

A peça de teatro é em homenagem a sua musa, Carmen Miranda. Para tal chama seus amigos de infância, Levy, Adamastor e Ananias. Levy é dono de uma produtora de filmes pornô. Ananias e Adamastor são ator-dublador desenhos animados e advogado, respectivamente. Ambos são as drags queens Cosma e Damiana, na noite paulista e interpretaram Carmen Miranda e Maria do Carmo.

O imprevisto Augusto terá que lidar de forma amarga, junto as mulheres que ama e com um pouco de humor.

Para os filhos, Abigail, design de joias e Nicolas, empresário dono de uma funerária de luxo, Bartolomeu tem um terrível segredo. Durante muito tempo ele os observava de perto e chegava à conclusão de que estavam fora de perigo. Dá a cada um uma unidade no luxuosos condomínio, que pela segurança, considera um lugar ideal.

Leandro César considera que o lugar ideal é um condomínio sobre o mar. Em outras palavras um navio. Com apartamentos, restaurantes, teatro, casas de show, as surpresas em sua maioria são boas e caras. Na maioria das vezes…

Infelizmente para Lucrezia o passado a persegue. Médica na Santa Casa, ela tem em seu apartamento todo o inferno que a cerca há muito tempo. Buscando a paz sem jamais encontra-la, persegue de maneira instintiva uma das moradoras. Talvez nela encontre o que procura.

Frente ao Rio Pinheiros, da cobertura Zípora vê um falso estilo neoclássico de um edifício que se ergue sobre um shopping center. Ela traz trancada em um baú o passado, uma mulher que no curso natural da vida deveria estar morta a mais de 3 mil anos. Ela sorri para Zípora, ela é sua amante.

Uma equipe de cientistas busca pelo mundo provas e uma ligação consistente da existência de um dilúvio global. Seja no Mar Negro onde no passado fora um grande lago de água doce, em Gobero no Níger, estudando duas etnias distintas. Analisando o Bólido de Tollmann e a Corrente do Golfo Pérsico.

Lembrando os clássicos de vampiro como A morte amorosa de Théophile Gautier, Drácula de Bram Stoker e Carmilla de Joseph Sheridan Le Fanu. Não deixa de também de lançar um olhar cínico sobre a literatura de vampiros, a elite de um modo geral, a falta de memória do povo brasileiro e a descrição de um país claudicante, quase morto.

Categoria: Memórias póstumas de Cosma e Damiana Sobre: Textos que escrevi, escrevo e outros textos Imagem em destaque: Alexandre Augusto Martins

Categoria: Memórias póstumas de Cosma e Damiana
Sobre: Textos que escrevi, escrevo e outros textos
Imagem em destaque: Alexandre Augusto Martins

Citação

511

Woody Allen e Scarlett Johansson por J.R. Duran

“Não é que eu tenha medo da morte, mas simplesmente não quero estar aqui quando isso acontecer”

“A melhor coisa que podem lhe dizer na vida não é ‘te amo’, mas sim ‘é benigno’”

“O sexo sem amor é uma experiência vazia. Mas, como experiência vazia, é uma das melhores”

Woody_Allen (1)“Odeio a realidade, mas é o único lugar onde se pode comer um bom filé”

“Tenho interesse pelo futuro, pois é o lugar onde passarei o resto da minha vida”

“Em Beverly Hills o lixo não é recolhido, mas transformado em televisão”

“A vocação do político profissional é fazer de cada solução um problema”

High Quality Wallpaper

“Prefiro a ciência à religião. Se tiver de escolher entre Deus e um ar-condicionado, fico com o ar”

“O medo é o meu companheiro mais fiel. Nunca me enganou para ficar com outra pessoa”

“Sei que não mereço o [prêmio] Príncipe das Astúrias, mas também não mereço o diabetes de que sofro”

“Não acredito que haja vida no além, mas, por via das dúvidas, troquei a roupa de baixo”

“Se os seres humanos tivessem dois cérebros, com certeza faríamos besteiras em dobro”

“A vantagem de ser inteligente é que se pode fingir ser um idiota, enquanto o contrário é impossível”

“Quando um médico erra, a melhor coisa é enterrar o assunto”

“De onde viemos? Para onde vamos? Há alguma tarifa especial para grupos?”

Categoria: Sereias, Vanuccia não é Ariel Sobre: Cinema, vídeo e audiovisual

Categoria: Sereias, Vanuccia não é Ariel
Sobre: Cinema, vídeo e audiovisual

Woody Allen

Um dos grandes problemas brasileiros: Interpretação de Texto

A Rio 2016 é racista

rafa ouro A Rio 2016 é racista
Racismo não é que os negros brasileiros têm menos saneamento. Menos casa própria. Menos acesso à saúde, hospital, creche. Nem que são menos alfabetizados, que vivem menos, que vivem pior que os brancos. Racismo não é que os negros são minoria nas universidades, nas redações, no shopping, nos restaurantes. Ou minoria nas novelas, nos telejornais, no público que frequenta os programas de auditório.
Não estão nos palcos dos teatros, são poucos nas paradas de sucesso. Não apresentam talk shows. Há pouquíssimos negros nas gerências e direções das empresas. E no comando da Polícia Militar, Civil, Federal. Não há negros entre os bilionários brasileiros. E não se vê negros nos ministérios, nas secretarias, autarquias, ou nos altos cargos do judiciário.
Mas nada disso é racismo. Não gera indignação. Não é tema pra campanha de candidato nenhum. Não repercute nas redes sociais. Isso é normal. É o dia a dia. Não, racismo é quando eu escrevo a seguinte frase: “Medalha de ouro para uma negra favelada ajuda as negras faveladas em exatamente nada.”
Por esse comentário no Twitter, inspirado pela vitória de Rafaela Silva no judô, fui chamado de racista por várias pessoas. Outras também me “xingaram” de gay, homem, branco etc. Muito comum a crítica de que não posso escrever sobre mulheres negras porque não sou mulher nem negra, o que é além de surreal.
Mas nem todo mundo entendeu assim.
Ana Luisa, leitora atenta, escreveu no Facebook sobre o assunto: “aquele post de racista não tem nada. Ao contrário. É uma crítica a um poder público omisso, que quase nada faz para quem é pobre e negro, e a uma sociedade preconceituosa e hipócrita que relega aos próprios negros o conselho de seguir o exemplo de esforço pessoal de uma moça negra que é destaque hoje. Mas é exceção entre uma massa de negras que não tiveram sua condição melhorada por ninguém. E nem ganharam o respeito da classe média anos atrás, lá com aquela medalha de ouro da judoca Edinanci (cujo nome, aliás, caiu no ostracismo). Incrível o tanto de gente que não entendeu, ou fingiu que não entendeu, o seu post.”
Toda essa gente que não entendeu, ou fingiu que não entendeu, não pesa tanto pra mim quanto uma única pessoa ter compreendido tão bem minha intenção quanto Ana Luisa.
Costumo dizer que o Brasil é um problema de interpretação de texto. Também costumo dizer que é inútil tentar entender os outros, e mais ainda tentar mudar os outros. Não dá para mudar a opinião de quem concluiu por esta frase que sou racista. Nem vou tentar. Então sou racista. E não sou racista. Entendeu? Assim é o novo mundo da comunicação.
Esse problema de deficiência de compreensão (ou mesmo de indignação simplista e automática) se tornou uma patologia. Dois exemplos pessoais. Estou respondendo a um processo que pede uma indenização financeira bem grande, por um texto que publiquei aqui no blog. Perdi em primeira instância, estamos recorrendo. A decisão do juiz é baseada no que dei a entender, não no que efetivamente escrevi. É um problema da legislação brasileira, que é dúbia, porque interpretação é sempre subjetiva.
Outro exemplo, mais engraçado, de ontem. Fiz também no Twitter uma piada infantil, daquelas tipo revista Recreio: “O que esse Phelps faz de tão importante? Nada.” Pois não é que tem gente me xingando, achando que é uma crítica ao nadador americano? Quando até uma bobagem dessas ofende, está claro que qualquer coisa (mas qualquer coisa mesmo) pode gerar repercussão negativa. Como qualquer coisa pode querer dizer o seu contrário, decidi por um título bem explícito e escandaloso para este texto: “A Rio 2016 é racista”.
Sutileza tem hora. Veja: o caminho natural para quem escreve profissionalmente, neste ambiente, é a autocensura e a autopromoção. Ou, caminho contrário e desafiador, apostar na inteligência de poucos. Ser mais mais ambíguo, denso, ambicioso. E muito, muito seletivo. É uma alternativa que me seduz – para daqui a pouco.
Para hoje, sobra ser tão agressivo quanto Rafaela Silva. De fato a medalha de ouro para ela não ajuda em nada as negras faveladas, ou, se você preferir, as afrodescendentes moradoras de comunidades. O que mudará a vida dos milhões de Rafaelas que não chegaram e nunca chegarão a nenhum pódio é dinheiro.
Investir R$ 38 bilhões dos nossos impostos nos Jogos Olímpicos, e não em melhorar a vida dos brasileiros mais pobres – a maioria negros, a maioria favelados – é uma das maiores injustiças já cometidas nesse país. E isso sim é que é racismo.

Categoria: Vai ser pra mim Sobre: Textos de outros autores ou autor convidado Textos de André Forastieri Imagem em destaque: Tingatinga - Tingatinga (também escrito Tinga-tinga ou Tinga Tinga) é um estilo de pintura que se desenvolveu na segunda metade do século 20 na Oyster Bay área em Dar es Salaam ( Tanzânia ) e mais tarde se espalhou para mais África Oriental. Tingatinga pinturas são uma das formas mais amplamente representados de arte turística orientada na Tanzânia, Quénia e países vizinhos. O gênero é nomeado após seu fundador, pintor tanzaniano Edward Said Tingatinga.

Categoria: Vai ser pra mim
Sobre: Textos de outros autores ou autor convidado
Textos de André Forastieri
Imagem em destaque: Thomas Allen

Nota

Morreu nessa terça-feira, 16 de agosto Elke Maravilha.

Elke Maravilha, nome artístico de Elke Georgievna Grunnupp (Leningrado, 22 de fevereiro de 1945 — Rio de Janeiro, 16 de agosto de 2016), foi uma manequim, modelo, jurada, apresentadora e atriz nascida na Rússia com cidadania alemã radicada no Brasil - Foto de David Zingg

Elke Maravilha, nome artístico de Elke Georgievna Grunnupp (Leningrado, 22 de fevereiro de 1945 — Rio de Janeiro, 16 de agosto de 2016), foi uma manequim, modelo, jurada, apresentadora e atriz nascida na Rússia com cidadania alemã radicada no Brasil – Foto de David Zingg

Categoria: Lactofantasy Sobre: Mulheres peladas e vestidas Fotos em destaque: Elke Maravilha nos anos 60

Categoria: Lactofantasy
Sobre: Mulheres peladas e vestidas
Fotos em destaque: Elke Maravilha nos anos 60

Muitas vidas cabem em Elke Maravilha

Elke Maravilha foi muito mais do que a sua cabecinha imagina…

10 Curiosidades sobre Elke Maravilha que você nem imaginava

Mais sobre Elke Maravilha

Elke Maravilha

Dartagnan e os Três Mosqueteiros – Episódios de 1 – 5

Como já havia escrito, Dartagnan e os Três Mosqueteiros é um dos meus desenhos favoritos. Abaixo os cinco primeiros episódios dessa série incrível. Vamos nos divertir juntos?

Categoria: KiSuco Sobre: Gibis, HQ, Mangás, Desenhos animados, Programas infantis, Brinquedos Link: Dartacão e os três mosqueteiros

Categoria: KiSuco
Sobre: Gibis, HQ, Mangás, Desenhos animados, Programas infantis, Brinquedos
Link: Dartacão e os três mosqueteiros

Isenção de IPTU a templos custa 22 creches por ano em São Paulo

A Prefeitura de São Paulo deixa de arrecadar com o IPTU de templos religiosos –todos beneficiários de imunidade tributária– cerca de R$ 110 milhões por ano. Esse montante, calculado pela Folha a partir do cadastro de imóveis, seria suficiente para construir um hospital ou 22 creches. A prefeitura recolhe cerca de R$ 6,5 bilhões com o imposto.pastores ricos

Além do IPTU, templos têm isenção de outros tributos, como o ISS (sobre serviços). A imunidade fiscal de IPTU é prevista na Constituição desde 1946 e, atualmente, o tema é debatido no Congresso.

A bancada religiosa na Câmara quer ampliar a isenção de IPTU para todo o país, incluindo o caso de imóveis alugados pelas entidades religiosas – na capital paulistana, isso já é realidade para os 5.734 templos da cidade. Há também grupos contrários, que defendem o fim de todas as isenções aos templos.

O valor de R$ 110 milhões calculado pela Folha considera o imposto que seria cobrado dos templos com base no valor dos imóveis e nas alíquotas básicas do IPTU e não inclui características dos terrenos que podem influenciar o valor final.

5723117686_b78dcd17e2_bSegundo a estimativa da prefeitura, a isenção fiscal aos templos está na casa dos R$ 90 milhões. Para efeito de comparação, um hospital com cerca de 250 leitos em construção em Parelheiros (zona sul) tem custo estimado de R$ 148 milhões. Na educação, os R$ 110 milhões poderiam erguer 22 creches.

Maior local de culto da cidade em área construída, com 75.948 m², o Templo de Salomão, da Igreja Universal, teria IPTU anual de cerca de R$ 3 milhões por ano.

Cercado de polêmica desde sua inauguração em 2014, o local ainda não tem alvará definitivo. Sem isenção até o momento, o templo consta como devedor de R$ 7,6 milhões em IPTU. Segundo a Universal, a imunidade está em análise pela prefeitura.

Na lista de entidades religiosas com mais templos, também aparece a Universal, como a 14ª maior proprietária de locais de culto, com 21. A colocação se deve ao fato de, ao contrário de outras evangélicas, a Universal adotar a prática de alugar os locais onde faz seus cultos. Amparada por lei municipal, não paga IPTU desses imóveis.

A igreja mais beneficiada pelo não pagamento de tributos é a Católica. Segundo o levantamento, ela tem 730 imóveis cadastrados como templos na cidade –renderiam R$ 17 milhões ao ano em IPTU.

Igrejas picaretas estão matando o rádio no Brasil

DEBATE NO CONGRESSO

Ligado à Universal, o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) é autor de uma Proposta de Emenda à Constituição que tramita para garantir a imunidade a entidades religiosas que alugam imóveis em todo o país. Lá, a Comissão de Direitos Humanos debate uma proposta popular –cujo relator é o próprio Crivella– que vai no sentido inverso: quer o fim de toda imunidade.

OPI-002.eps

Para o presidente da Atea (Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos), Daniel Sottomaior, é difícil haver mudança na Constituição devido à influência religiosa na política. Para ele, a imunidade atenta contra o Estado laico.

Questionada, a Arquidiocese de SP da Igreja Católica disse que “reafirma seu compromisso de colaboração a São Paulo, onde atua desde a sua fundação na assistência social, na educação, na promoção humana e na defesa dos mais pobres”.

A Universal disse defender o Estado laico, mas afirmou que a imunidade tributária “apenas assegura esse livre exercício dos cultos sem a interferência de governos”. A assessoria de Fernando Haddad (PT) não respondeu qual é a opinião do prefeito sobre a renúncia fiscal.

Categoria: Fogus Factus Sobre: Assuntos relacionados ao Brasil e Mundo

Categoria: Fogus Factus
Sobre: Assuntos relacionados ao Brasil e Mundo